Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

Canadense afirma ter descoberto droga que “cura” coração partido

Pesquisador de Montreal, no Canadá, desenvolveu método inovador que usa substância comum no tratamento de enxaqueca e hipertensão e combinou com terapia para apagar memórias ruins causadas por traumas


Um pesquisador canadense afirma ter achado a solução para o coração partido. Ele achou uma maneira de acabar com o sofrimento causado por separações traumáticas por meio de uma abordagem inovadora, chamada terapia da reconsolidação, que ajuda a acabar com dores emocionais de uma memória traumática. 

A pesquisa partiu do trabalho desenvolvido por ele com veteranos de guerra e vítimas de crimes e ataques terroristas que sofrem com o transtorno do estrese pós-traumático (TEPT). Em seu trabalho, o pesquisador usa o propranolol, um betabloqueador que ajuda no tratamento de enxaqueca e hipertensão. Com a nova abordagem, a droga seria usada de forma mais abrangente. 

A terapia da reconsolidação prevê que o paciente tome propranolol uma hora antes da sessão, na qual o paciente é convidado a escrever sobre o trauma e depois lê-lo em voz alta. Segundo o pesquisador, essa metodologia faz com que a memória seja “destravada”, fazendo com que a pessoa a atualize com novas lembranças. 

O especialista lembra que a metodologia não apaga as lembranças, mas ajuda com a dor causada por elas. Até o momento, a terapia já foi testada em 400 pessoas em países europeus, que relataram melhora após as sessões. 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Um pesquisador canadense afirma ter achado a solução para o coração partido. Ele achou uma maneira de acabar com o sofrimento causado por separações traumáticas por meio de uma abordagem inovadora, chamada terapia da reconsolidação, que ajuda a acabar com dores emocionais de uma memória traumática. 

A pesquisa partiu do trabalho desenvolvido por ele com veteranos de guerra e vítimas de crimes e ataques terroristas que sofrem com o transtorno do estrese pós-traumático (TEPT). Em seu trabalho, o pesquisador usa o propranolol, um betabloqueador que ajuda no tratamento de enxaqueca e hipertensão. Com a nova abordagem, a droga seria usada de forma mais abrangente. 

A terapia da reconsolidação prevê que o paciente tome propranolol uma hora antes da sessão, na qual o paciente é convidado a escrever sobre o trauma e depois lê-lo em voz alta. Segundo o pesquisador, essa metodologia faz com que a memória seja “destravada”, fazendo com que a pessoa a atualize com novas lembranças. 

O especialista lembra que a metodologia não apaga as lembranças, mas ajuda com a dor causada por elas. Até o momento, a terapia já foi testada em 400 pessoas em países europeus, que relataram melhora após as sessões. 

Reportagem, Jalila Arabi.