Plenário da Câmara dos Deputados. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Plenário da Câmara dos Deputados. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Câmara vai analisar projeto de lei que suspende inscrição de pequenas empresas no Cadin durante a pandemia

Proposta quer evitar que MEIs, micro e pequenas empresas tenham o nome sujo por causa de dívidas com órgãos e entidades federais


Tramita na Câmara dos Deputados um projeto de lei que suspende temporariamente a inscrição de dívidas de microempreendedores individuais (MEI), micro e pequenas empresas no Cadin. Em agosto, o Senado aprovou o PL 1.585/2021, que visa impedir que esses negócios fiquem com o nome sujo até seis meses após o fim da pandemia da Covid-19. 

O Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal (Cadin) é um banco de dados no qual estão registrados os nomes de pessoas e empresas em débito junto aos órgãos e entidades federais. Autor da proposta, o senador Wellington Fagundes (PL/MT) espera que a Câmara dos Deputados aprove a proposta o quanto antes. 

“As microempresas e empresas de pequeno porte estão entre as mais afetadas pelos efeitos da pandemia da Covid-19. Por motivos alheios à sua vontade, esses empresários deixaram de operar suas atividades econômicas, de perceber as suas receitas e, consequentemente, não conseguem arcar com os pagamentos dos tributos federais. Seria uma injustiça deixar essas empresas ficarem negativadas”, diz. 

Impactos

O projeto de lei visa minimizar os impactos da crise econômica que a pandemia da Covid-19 causou sobre as MPEs. De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), 79% dos empresários donos de pequenos negócios dizem que o faturamento caiu desde março de 2020. A queda de receita prejudica a capacidade dessas empresas honrarem os seus compromissos, como o pagamento de funcionários e de tributos. 

Mais de uma em cada três MPEs está inadimplente, ou seja, têm dívidas e/ou empréstimos em atraso Isso dificulta o acesso a empréstimos e financiamentos, que ajudariam esses negócios a atravessar a crise, destaca o economista Newton Marques. 

“Muitas micro e pequenas empresas não estão conseguindo pagar suas dívidas, principalmente junto ao Estado. Então, caso seja aprovado, este projeto legislativo será bem-vindo, porque dará uma flexibilização para o micro e pequeno empresário não ter a preocupação de participar de qualquer acesso a crédito, licitações, por conta de estar inscrito no Cadin. Isso é como se fosse um perdão enquanto durasse a pandemia”, avalia. 

Ainda segundo o Sebrae, desde o início da crise sanitária, 61% dos empresários donos de micro e pequenos negócios buscaram empréstimo. Vale lembrar que o projeto de lei não suspende a dívida, apenas que o débito seja inscrito no Cadin. Assim, seis meses após o fim da pandemia, se não pagar a dívida, o pequeno negócio pode ficar inadimplente. 

Relator da PEC da Reforma Tributária diz que Brasil é “manicômio tributário”

Economia brasileira deve crescer 5,3% em 2021 graças a reformas estratégicas do governo federal, aponta FMI

Consumo dos lares brasileiros caiu 2,33% entre julho e agosto

Exceções

A suspensão do registro no Cadin não vai se aplicar aos seguintes casos: não fornecimento de informação solicitada por órgão ou entidade pública; não apresentação ou atraso na apresentação da prestação de contas; omissão na apresentação de contas; ou rejeição das contas apresentadas.

Tramitação

Se os deputados federais aprovarem o PL sem alterações, a matéria seguirá para sanção da Presidência da República. 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Os deputados federais vão analisar um projeto de lei que suspende a inscrição de dívidas de microempreendedores individuais (MEI), micro e pequenas empresas no Cadin até seis meses após o fim da pandemia da Covid-19. A proposta já foi aprovada no Senado. 

O Cadin (Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal) é o local onde os nomes de pessoas e empresas com débitos junto aos órgãos federais são registrados. O senador Wellington Fagundes (PL/MT), autor da proposta, espera que a Câmara dos Deputados também aprove o projeto. 

TEC./SONORA: senador Wellington Fagundes (PL/MT)
 

“As microempresas e empresas de pequeno porte estão entre as mais afetadas pelos efeitos da pandemia da Covid-19. Por motivos alheios à sua vontade, esses empresários deixaram de operar suas atividades econômicas, de perceber as suas receitas e, consequentemente, não conseguem arcar com os pagamentos dos tributos federais. Seria uma injustiça deixar essas empresas ficarem negativadas.”

LOC.: Cerca de oito a cada dez dos empresários donos de pequenos negócios dizem que o faturamento caiu desde o início da pandemia, segundo o Sebrae. Com isso, as empresas têm menos capacidade para pagar os impostos. A inscrição no Cadin, na prática, significa ficar com o nome sujo, o que dificulta o acesso ao crédito em meio à crise econômica. 

O economista Newton Marques afirma que a aprovação do texto na Câmara pode dar fôlego aos pequenos negócios. 

TEC./SONORA: Newton Marques, economista 
 

“Muitas micro e pequenas empresas não estão conseguindo pagar suas dívidas, principalmente junto ao Estado. Então, caso seja aprovado, este projeto legislativo será bem-vindo, porque dará uma flexibilização para o micro e pequeno empresário não ter a preocupação de participar de qualquer acesso a crédito, licitações, por conta de estar inscrito no Cadin. Isso é como se fosse um perdão enquanto durasse a pandemia.”
 

LOC.: Se a Câmara aprovar o PL sem alterações, a matéria seguirá para sanção da Presidência da República. 

Reportagem, Felipe Moura.