Dr. Ajuda
30/11/2021 03:00h

Nesta edição do Doutor Ajuda a dermatologista Vivian Loureiro fala sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você já teve Herpes zoster, popularmente conhecido como cobreiro? Sabe quando suspeitar e o que fazer para prevenir? 

Nesta edição do Doutor Ajuda a dermatologista Vivian Loureiro fala sobre o assunto.

Herpes Zoster é uma doença mais comum do que as pessoas imaginam. Estima-se que 20% das pessoas terão um episódio de Zoster em algum momento da vida.

O Herpes Zoster é causado pelo vírus varicela zoster ou herpes vírus humano tipo 3, que é o mesmo que causa a catapora. A catapora (ou varicela) é a primo-infecção, ou seja, é o primeiro contato do nosso corpo com o vírus e, geralmente, acontece na infância. Depois que a varicela passa, o vírus continua em latência dentro do organismo por anos, alojado em um gânglio nervoso. Em determinado momento, esse vírus, que estava dormente, pode reativar, causando o Herpes Zoster e isso costuma acontecer em situações em que há queda da imunidade. 

Pessoas que possuem mais chances de desenvolver:

  • idosos;
  • portadores de doenças que prejudicam o sistema imunológico, como AIDS, lúpus e câncer;
  • pessoas em uso de medicamentos imunossupressores e quimioterapia.

Os primeiros sintomas costumam ser dor, ardor, coceira ou formigamento e vem antes do aparecimento das lesões de pele.

Poucos dias depois, surgem, na pele, vesículas que são pequenas bolhas. A principal característica é que essas vesículas são agrupadas e bem localizadas. As lesões são restritas a uma área do corpo, afetando só um lado e não ultrapassam a linha média. O local afetado corresponde à parte da pele relacionada ao nervo onde o vírus estava latente. Enquanto as bolhas estão com conteúdo líquido, a doença é transmissível e o vírus pode contaminar outras pessoas.

Existe alguma forma de prevenção? Sim! Existe prevenção por meio de vacinas. A vacina da catapora, indicada para crianças entre 1 e 12 anos, previne a primo-infecção pelo vírus e, consequentemente, a reativação dele no futuro. E a vacina para Herpes Zoster pode ser feita em adultos a partir dos 50 anos, inclusive naqueles que já tiveram a doença. A eficácia da vacina chega a 70%. Está disponível no Brasil desde 2014, mas ainda não faz parte do calendário nacional de imunizações gratuitas.

CONTEÚDO PARA EMISSORAS DE RÁDIO: Nesta edição, você pode utilizar três áudios sobre o tema:  

  • O que é herpes zoster? 
  • Sintomas
  • Gravidade

Para saber mais sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda. 

Copiar o texto
26/11/2021 04:30h

Neste episódio o endocrinologista Dr. Marcio Aurélio dá mais detalhes sobre como controlar o diabetes tipo 2

Baixar áudio

Você tem diabetes e não consegue um bom controle? Sabe como controlar essa doença? Neste episódio o endocrinologista Dr. Marcio Aurélio dá mais detalhes sobre como controlar o Diabetes tipo 2.

Abaixo 10 pontos importantes no controle do Diabetes: 

  1. Acompanhamento constante. O diabetes é uma doença crônica e progressiva de tal modo que é esperado que ele piore ao longo do tempo. O paciente que não realiza acompanhamento não descobrirá que está descontrolado ou que sua situação está piorando.
  2. Negação da doença. É muito comum o paciente passar por uma fase de negação, pois a glicemia não muito elevada não apresenta sintomas e o paciente não quer aceitar que precisará mudar seus hábitos e fazer alguns ajustes no estilo de vida como mudança na alimentação, realização de exercícios físicos. O controle na fase inicial da doença é primordial para o desenvolvimento da doença a longo prazo.
  3. Inércia terapêutica.  Sabemos que mudanças no estilo de vida são difíceis e muitas vezes ocorrem de maneira temporária e muitos médicos ao invés de receitar a medicação assim que diagnosticada a doença acabam dando um voto de confiança ao paciente confiando que ele irá realizar mudanças em seu estilo de vida e quando avaliado novamente é visto que o diabetes está descontrolado. 
  4. Uso correto das medicações. Muitos pacientes não fazem o uso correto das medicações ou simplesmente não fazem o uso assim como também não realizam o controle da glicemia capilar. 
  5. Valor da medicação. O custo da medicação acaba interferindo, muitos não possuem condições de manter um tratamento a longo prazo e por isso devem notificar ao médico ou verificar a possibilidade de pegar gratuitamente pelo SUS. 
  6. Hipoglicemia. A hipoglicemia, glicose no sangue muito baixa, realmente dá sintomas bem desagradáveis e muitos pacientes têm muito medo de ter hipoglicemia novamente o que acaba levando o paciente a preferir ficar com uma glicose um pouco mais alta do que correr risco de ter a hipoglicemia novamente.
  7. Monitorização da glicemia capilar é a parte fundamental do tratamento pois uma vez que é realizado esse controle em casa e anotado os valores é possível levar estes dados ao médico para que seja feitos ajustes nas medicações. 
  8. Parar com o tratamento habitual por tratamentos alternativos, opiniões de amigos ou de especialistas da internet
  9. Alimentação. Quanto mais caprichamos na alimentação, de maneira geral, e perdemos peso, menos medicamentos e insulina precisamos para o controle do diabetes.

Converse com o seu médico sobre suas dificuldades e medos no controle do diabetes. Para saber mais assista ao vídeo no canal do Dr. Ajuda.

Copiar o texto
Dr. Ajuda
24/11/2021 03:00h

Neste episódio o Ortopedista Dr. Helder Miyahara dá mais detalhes sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você sente dor no quadril? Neste episódio o Ortopedista Dr. Helder Miyahara dá mais detalhes sobre o assunto.

O quadril é a articulação que une o osso da coxa, chamado de fêmur, com a bacia, ou pelve, em um osso chamado de acetábulo. Por ser uma região grande e com diversas estruturas importantes, as causas para a dor podem ser bastante variadas e inclusive não ortopédicas. 

Dor na frente do quadril

Quando a dor é nesta região uma das principais suspeitas é de artrose do Quadril, que é o desgaste entre um osso e outro e que pode causar bastante dor, limitação de movimento importante e bastante prejuízo na qualidade de vida da pessoa. Outras causas de dor na frente do quadril:

  • Impacto anterior femoroacetabular, problema comum em esportes que envolvem a rotação do quadril, como tênis, golfe, futebol e ballet.
  • Pubalgia: Um termo bem amplo e que significa dor no púbis.

Dor na lateral da coxa

Existem dois principais motivos de dor nessa região, e é muito comum que eles ocorram simultaneamente:

  • O primeiro é a famosa bursite, que é a inflamação da bursa. Uma bolsa cheia de líquido, que nós temos em várias articulações do corpo.
  • O segundo é uma inflamação da parte muscular e dos tendões da região do quadril, a também famosa tendinite. Os dois problemas são muito comuns, uma vez que a musculatura do quadril é utilizada o tempo todo para atividades cotidianas, como ficar em pé, caminhar e subir e descer escadas.

Dor perto da coluna

A dor nessa região pode decorrer de problemas no quadril, na coluna e, às vezes, de ambos. As principais causas são:

  • Bursite e tendinite, que também podem ocorrer em bursas e músculos localizados nessa região, semelhante a dor lateral 
  • Síndrome do piriforme, uma doença em que o nervo ciático é comprimido por um músculo que se chama piriforme 
  • Impacto na região posterior do quadril, nesse caso, o osso da coxa bate naquele osso que fica bem atrás do bumbum, o ísquio, também podendo causar dor e inflamação nessa região.
  • Dor na articulação sacro ilíaca: inflamação ou um desbalanço mecânico causado por má postura ou fraqueza muscular e que acomete a articulação entre a bacia e a coluna.

CONTEÚDO PARA EMISSORAS DE RÁDIO: Nesta edição, você pode utilizar três áudios sobre o tema: 

  1. Dor na frente do quadril
  2. Dor na lateral da coxa 
  3. Dor perto da coluna

Para saber mais, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda.

Copiar o texto
22/11/2021 15:00h

A assistente social Leticia Andrade dá mais detalhes sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudio

Você sabe como conseguir remédio mais barato ou de graça pelo SUS? A assistente social Leticia Andrade dá mais detalhes sobre o assunto.

O Brasil desde 1988 possui uma política específica sobre medicação, o objetivo com isso é garantir a necessária segurança, qualidade e eficácia dos medicamentos. Existem duas maneiras de você conseguir ter acesso a esses medicamentos de maneira gratuita ou com o custo bem reduzido.

Onde conseguir medicamentos gratuitamente

  • Postos de saúde: Disponibilizam alguns medicamentos de maneira gratuita.
  • Farmácias Populares: Oferecem grande desconto nos valores das medicações. 

O que é preciso para conseguir ter acesso aos medicamentos gratuitos

  • Documento de identificação com foto
  • Receita médica básica contendo nome genérico da medicação, dados do médico, endereço da unidade de saúde de onde foi atendido e data da prescrição médica.

Caso o seu remédio não seja disponibilizado na lista de medicamentos das farmácias populares, não pare por aí. Procure saber quais são as opções de medicações que estão disponíveis, liste-as e retorne com seu médico para que seja verificada a possibilidade de substituir por outra medicação que faça parte do programa.

CONTEÚDO PARA EMISSORAS DE RÁDIO: Nesta edição, você pode utilizar dois áudios sobre o tema:

  • Remédios gratuitos ou mais baratos no SUS
  • Como conseguir medicamentos

Para saber mais, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda. 

Copiar o texto
Dr. Ajuda
19/11/2021 15:00h

A Oncologista Dra. Allyne Queiroz dá mais detalhes sobre câncer de próstata hereditário

Baixar áudioBaixar áudio

Você tem familiares com câncer de próstata? Sabe se é hereditário? A Oncologista Dra. Allyne Queiroz dá mais detalhes sobre a doença.  

A maior parte dos cânceres de próstata é esporádica, ou seja, acontece devido ao envelhecimento do corpo. No entanto, nos casos de câncer hereditário, a pessoa já nasce com esse defeito genético que é passado pelos pais, fazendo com que ela desenvolva câncer geralmente em idades mais jovens.

O câncer de próstata hereditário corresponde a 5-10% dos casos de câncer. Essas alterações herdadas podem passar de pai para filho e também para filhas. Na verdade, todos seus parentes de primeiro grau (irmãos, pais e filhos) estão sob risco, e este risco é de 50%.

Quais famílias devem suspeitar de Câncer de próstata hereditário?

  • Família em que há presença de vários casos de câncer de próstata (mais de três casos).
  • Quando você ou algum familiar apresenta caso de câncer de próstata avançado (chamado de metastático) logo ao diagnóstico.
  • Quando, além de casos de câncer próstata na família, você também tem casos de câncer de mama e ovário.
  • Famílias de judeus Ashkenazi.
  • Familiares próximos já com o diagnóstico de síndrome de câncer de próstata hereditário.

Nesses casos, o que fazer?

  • Exames preventivos: os homens, devem iniciar as visitas ao urologista mais cedo que o habitual, por volta dos 40 anos. Além disso, terá que realizar outros exames preventivos para diagnóstico precoce de tumores de pâncreas, de intestino, dentre outros.
  • Teste genético: um exame simples, feito através de uma coleta de sangue (como um hemograma) ou de maneira mais simples ainda, com uma coleta de saliva. 

Portanto se a sua família apresentar vários casos de câncer de próstata ou ao menos um caso de câncer de próstata jovem, converse com seu médico para chegar ao melhor diagnóstico e ao melhor tratamento.

CONTEÚDO PARA EMISSORAS DE RÁDIO: Nesta edição, você pode utilizar dois áudios sobre o tema: 

  • O que é e fatores de risco.
  • Rastreamento e diagnóstico da síndrome hereditária.

Para saber mais, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda.

Copiar o texto
Dr. Ajuda
17/11/2021 03:00h

O endocrinologista Dr. Bruno Halpern dá mais detalhes sobre cirurgia bariátrica

Baixar áudio

A Cirurgia Bariátrica quando bem indicada, está associada a redução da mortalidade, aumento da expectativa de vida e redução de doenças como Diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e até mesmo câncer. 

Atualmente existe um enorme preconceito em relação à cirurgia bariátrica, achando que é algo mutilante, usado como último recurso entre outras coisas, porém existem diversas evidências científicas que nos mostram muitos benefícios. O endocrinologista Dr. Bruno Halpern dá mais detalhes sobre cirurgia bariátrica.

A cirurgia não é indicada para todos!  Ela esta indicada para aqueles com índice de massa corpórea (IMC) > 40 OU IMC > 35 associados a outras doenças, além disso outros fatores são avaliados. No geral é recomendado o tratamento clínico sem sucesso por no mínimo 2 anos. 

Importante ressaltar que a cirurgia exige cuidados a longo prazo, muitas vezes é necessário a utilização de polivitamínicos, monitoramento da parte óssea, peso, pois existem casos da recuperação de peso mesmo após o procedimento ter sido realizado. 

Se você possui uma indicação clínica para a realização deste procedimento, discuta com o seu médico a respeito, coloque as opções na mesa para que a decisão final seja baseada em ciência e não em tabus e preconceitos.

Para saber mais sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Dr. Ajuda.

Copiar o texto
Dr. Ajuda
12/11/2021 04:00h

A Dra. Nelly Kim dá mais detalhes sobre falta de desejo sexual

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você já sentiu que o desejo sexual pelo seu parceiro não é mais o mesmo? Você gosta de sexo, mas tem preguiça de começar? E o fato de você evitar o sexo tem gerado uma crise no casamento? A Dra. Nelly Kim dá mais detalhes sobre falta de desejo sexual.

A falta ou diminuição do desejo sexual pode gerar crises no relacionamento, insegurança, entre outros. Ter desejo sexual não é tão simples assim, além de vários fatores físicos, como alterações hormonais ou alterações do sistema nervoso, fatores ambientais também podem estar envolvidos. Portanto o primeiro passo é passar por uma avaliação médica para ver se está tudo bem com a saúde e para saber se não há nada interferindo negativamente no seu desejo. 

Principais causas da diminuição do desejo sexual

  • Alterações hormonais, frequentes em problemas na tireoide, aumento de prolactina (que é o hormônio da amamentação) e uso de pílulas (que inibem a testosterona).
  • Doenças descompensadas, como diabetes ou hipertensão. 
  • Alterações psicológicas, como depressão ou ansiedade.
  • Uso de medicações como antidepressivos, anti-hipertensivos, antipsicóticos, entre outros. 

A duração do relacionamento e discordância de desejo entre homens e mulheres são condições que podem interferir também.

Por fim, o que fazer para aumentar o desejo sexual? Não trate o desejo sexual como algo que virá naturalmente. Em relacionamentos duradouros, ele é muito mais responsivo a estímulos do que espontâneo. Priorize o sexo, as mulheres que priorizam e pensam mais em sexo têm muito menos queixas de diminuição de desejo, lembre-se de realçar as qualidades do parceiro e não ser tão crítica, saiba que existe diferença de gêneros, por isso converse com seu parceiro e trabalhe o amor próprio, repare mais nas suas qualidades.

CONTEÚDO PARA EMISSORAS DE RÁDIO: Nesta edição, você pode utilizar dois áudios sobre o tema: 

  • Incidência e problemas causados pela falta de desejo sexual
  • Causas da falta de desejo sexual
  • Medidas para melhorar a falta de desejo sexual

Para saber mais, assista ao vídeo do Dr. Ajuda. 

Copiar o texto
Dr. Ajuda
10/11/2021 20:00h

A Oncologista Dra. Allyne Queiroz dá mais detalhes sobre câncer de mama hereditário

Baixar áudioBaixar áudio

Você tem familiares com câncer de mama? Será que pode ser um câncer hereditário? A Oncologista Dra. Allyne Queiroz dá mais detalhes sobre câncer de mama hereditário.

É importante sempre destacar que a minoria dos cânceres é hereditária. No caso do câncer de mama, em torno de 10% dos casos são hereditários, ou seja, surgem de um defeito genético passado dos pais para os filhos, de geração em geração. Nos outros 90% de casos de câncer de mama temos os chamados cânceres “esporádicos” que são aqueles que ocorrem ao acaso, geralmente devido ao desgaste do organismo causado pelo avanço da idade e pelo nosso estilo de vida, e que não têm relação com casos de câncer em parentes próximos.

Quando suspeitar se o seu câncer de mama é hereditário?

  • Câncer de mama com menos de 45 anos 
  • Câncer de mama específico chamado de “triplo negativo”.
  • Vários casos de câncer de mama na família ou casos de câncer de próstata avançado, ovário, pâncreas ou melanoma em parentes próximos. 
  • Se você é homem com câncer de mama ou tem parentes próximos do sexo masculino com câncer de mama.
  • Se você ou parentes próximos tiveram câncer de mama em ambas as mamas, ou seja, bilateral.
  • Ascendência judia Ashkenazi.

Toda mulher ao longo da vida tem cerca de 12% de chance de desenvolver câncer de mama. Em portadoras de alterações nesses genes esse risco aumenta para 70-80%, podendo inclusive ocorrer em idades mais jovens. Em relação ao risco de câncer de ovário, toda mulher tem aproximadamente 1,8% de chance de desenvolver a doença, enquanto em paciente com mutação genética o risco aumenta para 40 a 60%. Diante de um risco tão elevado para câncer, o cuidado dessas mulheres deve ser diferenciado.

O que determinará se o câncer será agressivo ou não, é o tipo de câncer, o tamanho do tumor e grau no momento do diagnóstico. 

Se tiver suspeita de câncer de mama hereditário não deixe de conversar com o médico. Nos casos muito suspeitos pode ser indicada uma avaliação com Oncogeneticista especialista nesse problema.

CONTEÚDO PARA EMISSORAS DE RÁDIO: Nesta edição, você pode utilizar dois áudios sobre o tema:

  • Fatores de risco
  • Tipos mais comuns e tratamento

Para saber mais sobre o assunto, assista ao vídeo do Dr. Ajuda. 

Copiar o texto
Dr. Ajuda
08/11/2021 17:00h

O Dr. Rodrigo Calil dá mais detalhes sobre dor no ombro

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você sente dor no ombro? Sabe as causas dessa dor? Esse é um dos principais motivos de idas ao ortopedista. O Dr. Rodrigo Calil dá mais detalhes sobre dor no ombro.

A principal causa de dor no ombro está relacionada às tendinites e bursites. A dor é localizada na região de cima e parte lateral do ombro e está associada a tendinites e calcificações dos tendões principalmente de um grupo chamado de Manguito rotador ou mesmo de uma inflamação chamada Bursite. Essas dores podem irradiar para o braço, pescoço ou mesmo atrás do ombro e costumam ser pior a noite e acometer pessoas com idade acima de 40 anos. Movimentos como levantar o braço acima da linha do ombro, pegar algo no banco de trás do carro, coçar as costas, colocar uma camisa ou fechar o zíper do vestido normalmente pioram a dor. 

Outra região onde é comum aparecerem dores nos ombros é a parte de cima do ombro relacionada a articulação acrômio clavicular. São comuns em pessoas mais jovens e que praticam esportes como natação, surfe, musculação.

Características que comumente estão presentes:

  • A dor piora quando você levanta o ombro ou pega algum peso
  • Presença de estalos, aquele barulho no ombro quando mexe o braço.

Existem muitas outras causas de dor no ombro o importante é você prestar a atenção nos sintomas e procurar o médico Ortopedista.

CONTEÚDO PARA EMISSORAS DE RÁDIO: Nesta edição, você pode utilizar três áudios sobre o tema:  

  • Dor no ombro 1 - Acromioclavicular
  • Dor no ombro 2 - Capsuliteadesvia
  • Dor no ombro 3 - Dor subacromial

Para saber mais sobre esse assunto, acesse ao canal Dr. Ajuda no Youtube. 

Copiar o texto
Dr. Ajuda
03/11/2021 21:00h

A Dra. Célia Petrossi dá mais detalhes sobre depressão em idosos

Baixar áudio

A depressão no idoso pode se apresentar diferente do que estamos acostumados a ver em adultos jovens. É mais difícil o idoso relatar tristeza, desanimo e falta de interesse que são os sintomas mais conhecidos da depressão. A Dra. Célia Petrossi dá mais detalhes sobre depressão em idosos

No idoso é mais comum a depressão se manifestar por outras queixas como:  

  • Queixas somáticas, como dores pelo corpo, alterações gastrointestinais (como dor de estômago, diarreia ou constipação);
  • Alterações do sono, como excesso ou falta de sono;
  • Pensamentos fora da realidade (como se estivessem sendo perseguidos por alguém ou sendo roubados, que é o que chamamos de pensamentos persecutórios ou mesmo autorreferentes (acham que pessoas estão falando dele);
  • Problemas de memória: é comum terem falhas de memória leves e não sustentadas, que podem ser confundidos com quadros iniciais de demência, mas sem uma perda tão importante da funcionalidade como acontece nas demências.
  • Sentimentos comuns de que são pouco úteis, que a vida não tem mais sentido, podendo ocorrer pensamentos de morte ou suicídio.

CONTEÚDO PARA EMISSORAS DE RÁDIO: Nesta edição, você pode utilizar três áudios sobre o tema: 

  • Quadro clínico
  • Prevenção, fatores associados e tratamento

Além das doenças associadas é muito importante saber relatar ao médico todas as medicações que o idoso utiliza diariamente. Alguns remédios como corticoides, betabloqueadores, antiparkinsonianos, entre outros, podem desencadear ou piorar sintomas depressivos.

Além de comprometer a qualidade de vida, a depressão em idosos pode causar ou precipitar outras doenças clínicas. A depressão não tratada aumenta em duas vezes o risco de infarto em quem já tem doença coronariana, aumenta o risco para doença de Alzheimer, e piora o prognóstico de pacientes em tratamento de câncer.

É possível se prevenir, cuidando da saúde como um todo, controlando as doenças que estão associadas a depressão, comendo e dormindo adequadamente.

Combatendo o isolamento, estimulando a participação em atividades sociais fazendo atividade física com frequência. E nos casos necessários psicoterapia de apoio.

A presença da família e de uma rede de apoio é fundamental para o bem-estar emocional dos idosos. Depressão tem tratamento! 

Para saber mais, assista ao vídeo sobre depressão em idosos no Canal Doutor Ajuda.

Copiar o texto
Brasil 61