MDR

Desenvolvimento Regional
10/08/2022 15:25h

Recursos serão repassados aos municípios de Maraã e Alvarães

Baixar áudio

Duas cidades do Amazonas atingidas por desastres naturais vão receber mais de R$ 1 milhão para ações de defesa civil. As portarias com as liberações dos recursos foram publicadas na edição desta quarta-feira (10) do Diário Oficial da União (DOU).

O maior repasse – de mais de R$ 536 mil – será para a cidade de Maraã, no estado do Amazonas. Os recursos serão destinados para a compra de cestas básicas, combustível e kits de limpeza, além do aluguel de embarcações. Cerca de 7,5 mil pessoas serão atendidas.

Também no Amazonas, o município de Alvarães contará com mais de R$ 492 mil para a compra de cestas básicas, atendendo mais de 4,7 mil pessoas. Ambas as cidades foram afetadas por inundações.

Como solicitar recursos federais

Após a concessão do status de situação de emergência pela Defesa Civil Nacional, os municípios atingidos por desastres estão aptos a solicitar recursos para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.

Capacitações da Defesa Civil Nacional

A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD, a partir do Plano de Capacitação Continuada em Proteção e Defesa Civil. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira neste link a lista completa dos cursos de capacitação.

Copiar o texto
10/08/2022 15:10h

Recursos serão repassados a municípios dos estados do Amazonas e de Pernambuco

Baixar áudio

Três cidades do País atingidas por desastres naturais vão receber mais de R$ 1,1 milhão para ações de defesa civil. As portarias com as liberações dos recursos foram publicadas na edição desta quarta-feira (10) do Diário Oficial da União (DOU).

O maior repasse – de mais de R$ 536 mil – será para a cidade de Maraã, no estado do Amazonas. Os recursos serão destinados para a compra de cestas básicas, combustível e kits de limpeza, além do aluguel de embarcações. Cerca de 7,5 mil pessoas serão atendidas.

Também no Amazonas, o município de Alvarães contará com mais de R$ 492 mil para a compra de cestas básicas, atendendo mais de 4,7 mil pessoas. Ambas as cidades foram afetadas por inundações.

Pernambuco

Em Pernambuco, o município de Itaíba, atingido por chuvas intensas, terá mais de R$ 122 mil à disposição para a compra de cestas básicas, colchões, gasolina e kits de higiene e dormitório. Mais de 14 mil pessoas serão atendidas.

Como solicitar recursos federais

Após a concessão do status de situação de emergência pela Defesa Civil Nacional, os municípios atingidos por desastres estão aptos a solicitar recursos para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.

Capacitações da Defesa Civil Nacional

A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD, a partir do Plano de Capacitação Continuada em Proteção e Defesa Civil. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira neste link a lista completa dos cursos de capacitação.

Copiar o texto
10/08/2022 14:55h

Estão na lista municípios do Ceará, do Piauí e do Rio Grande do Sul

Baixar áudio

A Defesa Civil Nacional reconheceu situação de emergência em mais três cidades do País atingidas por desastres naturais. A portaria com os reconhecimentos federais foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (10). 

As cidades de Itatira, no Ceará, e Campo Alegre do Fidalgo, no Piauí, passam por estiagem, enquanto o município de David Canabarro, no Rio Grande do Sul, foi atingido por chuva de granizo.

Como solicitar recursos federais

Após a concessão do status de situação de emergência ou de estado de calamidade pública pela Defesa Civil Nacional, os municípios atingidos por desastres estão aptos a solicitar recursos do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.

Capacitações da Defesa Civil Nacional

 A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira a lista completa dos cursos.

Copiar o texto
Desenvolvimento Regional
09/08/2022 19:46h

Fundo tem por finalidade financiar projetos de investimento em programas das áreas de habitação popular

Baixar áudio

O Conselho Curador do Fundo de Desenvolvimento Social (CCFDS) aprovou o novo Regimento Interno, que dispõe sobre a utilização dos recursos pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), vinculados aos programas da Secretaria Nacional de Habitação. A medida foi chancelada durante a 60ª reunião ordinária do colegiado e publicada no Diário Oficial da União de segunda-feira (8)

As principais alterações no regimento atribuem maior celeridade e clareza ao processo de aprovação de balanços e novas modalidades de atendimento habitacional, além de definir a composição do conselho e os prazos das reuniões. Segundo o documento, o ministro do Desenvolvimento Regional ocupa a presidência do conselho, que conta ainda com um representante da Secretaria Nacional de Habitação do MDR, responsável pela Secretaria-Executiva.

O CCFDS também é composto por representantes do Ministério da Economia; do Ministério da Cidadania; do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos; Secretaria de Governo da Presidência da República; da Confederação Nacional das Instituições Financeiras; da Confederação Nacional de Serviços; da Confederação Nacional da Indústria; e das três centrais sindicais com maior índice de representatividade dos trabalhadores à época da designação.

O Conselho Curador se reunirá, ordinariamente, a cada mês, por convocação de seu presidente, mas se for necessário, qualquer membro poderá convocar reunião extraordinária.

Competências

Dentre as competências do CCFDS estão definir as diretrizes a serem observadas na concessão de empréstimos e financiamentos e em seus retornos; estabelecer os limites e o plano de subsídios; estabelecer o percentual máximo de financiamento pelo FDS; definir a taxa de administração a ser percebida pela Caixa Econômica Federal; adotar as providências cabíveis para a apuração e correção de atos e fatos que prejudiquem o cumprimento das finalidades do FDS; entre outras.

Fundo de Desenvolvimento Social

O FDS foi regulamentado pelo Decreto nº 10.333/20 e é uma das principais fontes de financiamento da política de habitação. Atualmente, atende a Regularização Fundiária e Melhorias Habitacionais do Programa Casa Verde e Amarela.

Os financiamentos habitacionais destinam-se a população de baixa renda e, deste modo, o fundo contribui para atender um segmento da população que possui limitada capacidade de pagamento, concedendo financiamentos com subsídios.

"A partir do momento que uma família tem um teto digno, adequado, com parcelas adequadas à capacidade de pagamento, há uma transformação dessa família que tem muito mais tranquilidade para se desenvolver, cuidar bem dos seus filhos", afirma Alfredo dos Santos, secretário Nacional de Habitação.

Copiar o texto
09/08/2022 18:56h

Total de financiamentos na Região Nordeste alcançou R$ 11,8 bilhões nos primeiros cinco meses deste ano. Recursos são administrados pelo MDR e pela Sudene

Baixar áudio

Empreendedores urbanos e produtores rurais da Região Nordeste - e das porções norte do Espírito Santo e de Minas Gerais - contrataram R$ 11,8 bilhões por meio do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE). Os números são relativos aos primeiros cinco meses de 2022 e representam um aumento de 47,25% no volume de recursos financiados no mesmo período do ano passado (R$ 8 bilhões).

Os recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste são administrados pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e pela Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). A instituição responsável pela operacionalização é o Banco do Nordeste.

Embora as operações de crédito sejam voltadas, prioritariamente, a atividades de pequeno e médio porte, também são asseguradas condições atrativas de financiamento a grandes investidores.

A maior parte dos valores foi captada por empreendedores e produtores de menor porte, cerca de R$ 6 bilhões (equivalente a 51% do total). Outros R$ 5,7 bilhões foram contratados por representantes enquadrados na categoria médio e grande portes.

“Os Fundos Constitucionais de Financiamento são instrumentos importantíssimos para estimularmos o desenvolvimento nas regiões que são consideradas prioritárias pela própria Constituição. Por meio deles, é possível que os empreendedores e produtores rurais possam desempenhar suas atividades nas suas localidades de origem e levar, por eles mesmos, o crescimento para essas regiões”, afirma o ministro do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira.

Do total de R$ 11,8 bilhões do FNE, 43,7% foram acessados pelo setor rural, responsável pela contratação de R$ 5,1 bilhões. O valor também é um avanço na comparação com 2021, quando o setor financiou R$ 2,9 bilhões.

Em seguida, aparece o setor de infraestrutura, que captou R$ 2,81 bilhões, além das áreas de comércio e serviços (R$ 2,56 bilhões), industrial (R$ 959,90 milhões) e de turismo (R$ 304,31 milhões).

Por estado

Na área de atuação da Sudene, o principal destaque foi o volume de financiamentos contratados por empreendedores urbanos e produtores rurais da Bahia. Eles foram responsáveis pela formalização de contratos que somaram R$ 3,2 bilhões.

Na sequência, aparecem Ceará (R$ 1,88 bilhão), Pernambuco (R$ 1,57 bilhão), Minas Gerais (R$ 1 bilhão), Maranhão (R$ 933,3 milhões), Piauí (R$ 893,9 milhões), Sergipe (R$ 675,3 milhões), Rio Grande do Norte (R$ 523,7 milhões), Alagoas (R$ 484,9 milhões), Paraíba (R$ 454,1 milhões) e Espírito Santo (R$ 115,5 milhões).

Copiar o texto
09/08/2022 17:10h

As fortes chuvas devem atingir a região ao longo desta terça (9) e quarta-feira (10). Leste catarinense, litoral norte do Rio Grande do Sul e litoral sul paranaense serão os mais afetados

Baixar áudio

A Defesa Civil Nacional alerta para a previsão de chuvas intensas na região Sul ao longo desta terça (9) e quarta-feira (10). Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o leste de Santa Catarina, litoral norte do Rio Grande do Sul e litoral sul do Paraná poderão ser os locais mais afetados.

De acordo com o Inmet, os acumulados de chuvas podem ser superiores a 60 milímetros por hora ou 100 milímetros por dia, com ventos superiores a 100 km/h. Com isso, há risco elevado de danos em edificações, corte de energia elétrica, de queda de árvores, descargas elétricas, alagamentos, enxurradas e grandes transtornos no transporte rodoviário.

Também há risco de movimentos de massa, que indica a possibilidade de ocorrer deslizamentos nos municípios alertados no nordeste catarinense.

Diante da previsão, o Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad) já comunicou as defesas civis estaduais do risco e opera com equipes de plantão para acompanhar o registro de qualquer ocorrência significativa.

O coordenador-geral de Gerenciamento de Desastres da Defesa Civil Nacional, Tiago Molina Schnorr, pede para que a população fique atenta às informações oficiais e aos locais onde serão divulgados os alertas, além de adotar as medidas de autoproteção.

“É fundamental que a população para que adote algumas medidas de prevenção, como desligar aparelhos elétricos e quadro geral de energia. Em caso de enxurrada, coloque documentos e objetos de valor em sacos plásticos. Já em situação de grande perigo confirmada, procure abrigo e evite permanecer ao ar livre. É importante que a população fique atenta às informações oficiais e aos locais onde serão divulgados os alertas, além de adotar as medidas de autoproteção”, observou.

Ventos costeiros

A Defesa Civil Nacional também alerta para o risco de ventos costeiros na região metropolitana de Curitiba e litoral sul do estado de São Paulo. Em caso de acidentes, a recomendação é entrar em contato com a Defesa Civil, pelo telefone 199.

Alertas

A Defesa Civil Nacional orienta os moradores das regiões de risco a se inscreverem nos serviços de alerta, enviando um SMS, com o CEP do local onde mora, para o número 40199. Em caso de desastre, a população receberá um aviso. Outra recomendação é ficar atento aos alertas publicados no Twitter da Defesa Civil Nacional (@defesacivilbr) e do Instituto Nacional de Meteorologia (@inmet_).

Copiar o texto
09/08/2022 16:51h

Recursos serão repassados aos municípios de Várzea, Touros e Nísia Floresta

Baixar áudio

Três cidades do Rio Grande do Norte atingidas por desastres naturais vão receber R$ 380 mil para ações de defesa civil. As portarias com as liberações dos recursos foram publicadas na edição desta terça-feira (9) do Diário Oficial da União (DOU).

O município de Várzea, afetado por chuvas intensas, terá à disposição mais de R$ 277 mil para o restabelecimento de ponte.

Já Touros, no mesmo estado, contará com R$ 55 mil para ajuda humanitária. As duas cidades foram afetadas por chuvas intensas. 

Nísia Floresta, atingida por enxurradas, contará com R$ R$ 46 mil para aluguel de carro-pipa.

Como solicitar recursos federais

Após a concessão do status de situação de emergência pela Defesa Civil Nacional, os municípios atingidos por desastres estão aptos a solicitar recursos para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado. 

Capacitações da Defesa Civil Nacional

 A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD, a partir do Plano de Capacitação Continuada em Proteção e Defesa Civil. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira neste link a lista completa dos cursos de capacitação.

Copiar o texto
Desenvolvimento Regional
09/08/2022 16:06h

Recursos serão repassados aos municípios de Almenara, Santa Luzia e Diogo de Vasconcelos

Baixar áudio

Três cidades de Minas Gerais atingidas por desastres naturais vão receber mais de R$ 2 milhões para ações de defesa civil. As portarias com as liberações dos recursos foram publicadas na edição desta terça-feira (9) do Diário Oficial da União (DOU).

O município de Almenara receberá R$ 995 mil para a reconstrução de ponte. Já Santa Luzia contará com R$ 898 mil para o restabelecimento da trafegabilidade.

A cidade de Diogo Vasconcelos terá R$ 146 mil para a reconstrução de bueiro. Os três municípios foram afetados por chuvas intensas.

Como solicitar recursos federais

Após a concessão do status de situação de emergência pela Defesa Civil Nacional, os municípios atingidos por desastres estão aptos a solicitar recursos para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado. 

Capacitações da Defesa Civil Nacional 

A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD, a partir do Plano de Capacitação Continuada em Proteção e Defesa Civil. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira neste link.

Copiar o texto
08/08/2022 19:35h

Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres atua 24 horas por dia na emissão de alertas, gestão de crises, monitoramento e operações de desastres naturais no Brasil

Baixar áudio

O Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), completa dez anos de operação ininterrupta nesta segunda-feira (8). O órgão atua 24 horas por dia na emissão de alertas de desastres naturais, gestão de crises, monitoramento e operações.

Uma de suas principais atribuições é monitorar e consolidar informações referentes às previsões meteorológicas elaboradas por diversas agências brasileiras como, por exemplo, o Inmet e o Cemaden.

Em 2012, o Centro passou a funcionar em regime ininterrupto, após restruturação. “Desde então, o Cenad passou a atuar 24 horas no gerenciamento de crises, monitoramento e operações. O centro é responsável pela emissão de alertas que servem para orientar as medidas de autoproteção, que é o que, efetivamente, diferencia o desastre de uma tragédia e ajuda a salvar vidas”, destaca o ministro do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira.

O secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, Coronel Alexandre Lucas, destacou o grande avanço na política pública de proteção à população. “Hoje é um dia muito feliz, estamos comemorando dez anos de existência do Cenad. Avançamos muito nas ações de proteção, mitigação, resposta e recuperação. E isso só foi possível devido ao grande trabalho realizado aqui no Cenad”.

Emissão de Alertas

Por meio de mídias como serviços de SMS, TV por assinatura e Google Alerta, o Cenad informa populações locais, gestores estaduais, municipais e instituições que fazem parte do Sistema Federal de Defesa Civil, dos riscos iminentes para garantir a segurança dos cidadãos das regiões em risco.
O diretor do Cenad, Armin Braun, destaca a importância, ao longo dos anos, da evolução das tecnologias na emissão de alertas. “O Cenad é de grande importância tanto no monitoramento dos desastres quanto na resposta a diferentes agentes públicos envolvidos nas ocorrências. Com novas tecnologias, desenvolvemos protocolos de procedimentos, metodologias de integração para emissão de alertas e alarmes para todo o Brasil, capazes de melhorar a capacidade de resposta aos desastres”, explica.

O trabalho desenvolvido no Cenad durante a década possibilitou que a população passasse a ter acesso a informações cada vez mais ágeis e precisas. Hoje, a pessoa pode se cadastrar para receber os alertas compartilhados pelo Centro mandando o CEP de sua residência, por SMS, para o número 40199. Isso possibilita que a população se antecipe aos desastres e adote medidas de autoproteção.

Para se ter uma ideia da importância do envio de alertas, em 2022, foram gerados 1.093 alertas de nível alto ou muito alto para riscos de deslizamentos, inundações e enxurradas. A prática tem demonstrado que essas ferramentas, somadas a outras estratégias, são capazes de salvar vidas. Quanto mais mídias e recursos forem usados simultaneamente, difundindo, em tempo real, o mesmo alerta, maior será a cobertura das populações vulneráveis.

Dando mais um passo na evolução de envio de alertas, em junho, o MDR fechou uma parceria com o WhatsApp e o grupo Robbu para oferecer um serviço inédito de envio de mensagens por meio do aplicativo em todo o País. A previsão é de que o serviço esteja disponível para acesso da população até o início de setembro.

O Cenad

O Centro é composto por salas de gestão de crises adaptadas para o monitoramento e operações, com uma equipe técnica de analistas de sistemas, meteorologistas, químicos, assistentes sociais e estatísticos. Hoje, 55 profissionais trabalham no Centro. Eles estão divididos em duas grandes áreas de atuação: gestão de riscos e gestão de desastres.
Funcionário mais antigo do Cenad, Rafael Félix entrou no órgão em 8 de agosto de 2006. Ele destaca a evolução tecnológica do serviço prestado à população. “Quando comecei o Cenad era um protótipo do que é hoje. Uma sala no ministério, com oito técnicos responsáveis por monitorar desastres no país inteiro. Naquela época, tínhamos acesso aos avisos, mas não tínhamos os alertas como temos hoje. Os avisos eram encaminhados por fax e depois a gente ligava para confirmar se tinha chegado. O Cenad chega aos 10 anos com avanços importantes para a prevenção e ação nos momentos de desastres.”

Há dez anos, o órgão inaugurou o Centro de Monitoramento e Operações (CMO). Trata-se de uma sala para especialistas, que dispõe d monitores conectados que formam uma grande tela (Vídeowall), gabinete de crise com sistema de videoconferência, computadores modernos e sistema de emergência para fornecimento de energia elétrica.

O Cenad passou a contar com imagens em alta resolução elaboradas pelo International Charter Space and Major Disasters para mapear as regiões mais afetadas pelas chuvas em todo o Brasil. Elas são produzidas a partir de um mecanismo de cooperação global que proporciona o fornecimento gratuito de imagens de geoprocessamento para embasar ações de resposta a desastres naturais e atendimento à população afetada.

Para saber mais sobre notícias e ações regionalizadas do MDR, jornalistas interessados podem acessar os grupos de WhatsApp por estado.

Copiar o texto
Desenvolvimento Regional
05/08/2022 19:16h

Webinar também lançará a Plataforma Rota-S, que visa integrar, alavancar e divulgar o que é produzido no Programa, fortalecendo o trabalho dos pequenos produtores locais

Baixar áudio

No Seminário Internacional, que ocorrerá nas próximas duas terças-feiras, 9 e 16 de agosto, o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) apresenta a Estratégia Rotas de Integração Nacional a representantes de países parceiros. O Programa atua na promoção do desenvolvimento das regiões e no fortalecimento das cadeias produtivas locais. Os encontros, que serão abertos e não precisam de inscrição prévia, ocorrerão por meio da plataforma Zoom e os interessados podem acessar neste link.

“Essa plataforma foi construída para alavancar a Estratégia Rotas de Integração Nacional. Ela concentra informações sobre as Rotas e os polos, o que é produzido, os dados de quem produz e leva para todo o País a oportunidade de inclusão nesses sistemas produtivos”, destaca a secretária nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Sandra Holanda.

A Plataforma Rota-S foi desenvolvida a partir de uma parceria entre o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), organismo multilateral ligado à Organização das Nações Unidas (ONU), e a Universidade Federal de Viçosa (UFV). O portal pode ser acessado neste link. Também há uma versão para smartphones, que está disponível gratuitamente nas lojas de aplicativos com o nome Rotas de Integração Nacional.

Quem acessar a página ou o aplicativo da Rota-S vai encontrar dados como os tipos de Rotas existentes, os polos que já estão em funcionamento por todo o País e quais cidades integram cada unidade. Também é possível conhecer um breve histórico de cada cadeia produtiva apoiada pela Estratégia e fazer um cadastro de produtos e do produtor. Nesta última etapa, o produtor deve informar a Rota de que faz parte, qual polo integra e inserir dados da empresa.

FCO tem alta de mais de 25% nas contratações em 2022

Colônia Leopoldina, em Alagoas, receberá mais de R$ 361 mil para ações de defesa civil

Rotas de Integração Nacional

As Rotas são redes de arranjos produtivos locais associadas a cadeias produtivas estratégicas capazes de promover a inclusão produtiva e o desenvolvimento sustentável das regiões brasileiras priorizadas pela Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR). Buscam promover a coordenação de ações públicas e privadas em polos selecionados, mediante o compartilhamento de informações e o aproveitamento de sinergias coletivas a fim de propiciar a inovação, a diferenciação, a competitividade e a sustentabilidade dos empreendimentos associados, contribuindo, assim, para a inclusão produtiva, inovação e o desenvolvimento regional.

Atualmente, há 11 Rotas reconhecidas: do Açaí, da Biodiversidade, do Cacau, do Cordeiro, da Economia Circular, da Fruticultura, do Leite, do Mel, da Moda, do Pescado e da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

Além dos milhares de pequenos produtores familiares beneficiados com a geração de emprego e renda, as Rotas contribuem na produção de alimentos regionais de qualidade e a preços acessíveis. Estima-se que nos últimos anos foram produzidos mais de 1,5 milhão de litros de leite e derivados nos polos da Rota do Leite; cerca de 157 mil toneladas de cacau e derivados pelos polos da Rota do Cacau; 161 toneladas de açaí; 940 toneladas de mel e derivados; 1,2 milhão de toneladas de frutas diversas pela Rota da Fruticultura.

Já a Rota do Cordeiro, a estimativa é de um rebanho de 14 milhões de cordeiros e na do peixe, 841 mil toneladas. Há, ainda, os produtos provenientes da biodiversidade, que somam cerca de 22 de toneladas.

Programação

É esperada a participação de representantes de Argentina, Paraguai, Uruguai, Peru, Bolívia, Equador, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, República Dominicana e México.

No dia 9 de agosto, o encontro será iniciado às 9h30, com a participação de autoridades brasileiras e internacionais, entre eles, Júlio Worman, representante do FIDA, e a secretária nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Sandra Holanda.

A programação do primeiro dia conta também com uma apresentação sobre a Plataforma Rota-S e suas principais funcionalidades e a exibição de dois casos de sucesso: um sobre a sustentabilidade na cadeia de avicultura de corte em Goiás e a outra sobre a experiência do polo Sertão do São Francisco  da Rota do Cordeiro, em Pernambuco.

A última atividade do dia prevê uma exposição sobre a importância da experiência das Rotas de Integração Nacional na promoção do desenvolvimento das regiões, fortalecimento dos arranjos produtivos locais e na geração de emprego e renda para os pequenos produtores.

Já no dia 16, também a partir das 9h30, haverá uma apresentação técnica sobre a experiência da criação da Rota do Mel, abordando o mecanismo de definição de uma Rota, como encontrar os produtores, a criação do Comitê Gestor dos polos e como eles devem alimentar a Plataforma Rota-S.

Em seguida, será a vez dos produtores aprenderem as funcionalidades da ferramenta, as informações que podem ser adicionadas ao sistema e as facilidades de acesso, tanto pelo computador quanto pelo aplicativo.

Também serão apresentadas mais duas experiências de sucesso: do polo da Região Integrada de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal (Ride-DF) da Rota da Fruticultura, que também engloba produtores de cidades próximas de Goiás e de Minas Gerais; e do Polo Apícola do Norte de Minas da Rota do Mel.

Os participantes receberão certificados. Para receber o seu, cadastre-se neste link.

O Seminário é realizado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional e conta com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Fundação Arthur Bernardes (FUNARBE), Universidade Federal de Viçosa (UFV), Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), Instituto de Políticas Públicas e Desenvolvimento Sustentável (IPPDS) e o Instituto Avaliação.

Programação completa:

Dia 9

9h-9h30 – Abertura da sala

9h30-9h50 – Fala de abertura do seminário (ministro do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira e Júlio César Worman, Analista de Programas do FIDA no Brasil)

9h50-10h15 – Apresentação da Política Nacional de Desenvolvimento Regional (secretária nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Sandra Holanda)

10h15-10h35 – Apresentação do Programa Rotas de Integração Nacional e Comitê Supervisor (diretor de Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Francisco Soares)

10h35-10h55 – Apresentação da Plataforma Rota-S (coordenador de Geoinformações do MDR, Samuel Menezes de Castro)

10h55-11h05 – Faces da Plataforma Rota-S (Instituto Avaliação)

11h05-11h20 – Caso de sucesso no Brasil: sustentabilidade tecnológica e ambiental na cadeia produtiva da avicultura de corte goiana (Vagner Gurgel, engenheiro ambiental da São Salvador Alimentos)

11h20-11h35 - Caso de sucesso no Brasil: Rota do Cordeiro: a experiência do Polo Sertão do São Francisco (Cândido Roberto, diretor do Abatedouro de Ovinos e Caprinos de Rajada)

11h35-11h45 – Debate

11h45-12h05 – A importância da experiência brasileira para países parceiros

12h05-12h10 – Informações sobre o segundo dia de evento

 Dia 16

9h-9h30 – Abertura da sala

9h30-9h50 – Fala de boas-vindas

9h50-10h20 – Plataforma Rota-S por dentro: a experiência de criação da Rota do Mel (coordenador de Geoinformações do MDR, Samuel Menezes de Castro)

10h20-10h40 – Debate

10h40-11h00 – Plataforma Rota-S por dentro: como alimentar o sistema produtor (coordenador da Rota da Economia Circular, Luiz Paulo de Oliveira)

11h-11h15 – Caso de sucesso no Brasil: Polo de Fruticultura da Ride-DF (coordenador do polo, Luiz Curado)

11h15-1130 – Caso de sucesso no Brasil: mel de aroeira: do Brasil para o Mundo (Alex Demier, analista em desenvolvimento da Codevasf em Montes Claros-MG)

11h30-11h40 – Debate

11h40-11h50 – Expectativas de diálogo internacional com a Plataforma Rota-S (diretor de Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Francisco Soares)

11h50-12h - Expectativas de diálogo internacional com a Plataforma Rota-S (parceiros internacionais)

12h-12h10 – Encerramento

Copiar o texto
Brasil 61