Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

11/06/2021 10:35h

Por mais que saibamos o que pensa Jair Bolsonaro sobre, por exemplo, a pandemia da Covid-19, sempre nos surpreende quando faz discursos em eventos, nas viagens ou em conversa com seus apoiadores

Por mais que saibamos o que pensa Jair Bolsonaro sobre, por exemplo, a pandemia da Covid-19, sempre nos surpreende quando faz discursos em eventos, nas viagens ou em conversa com seus apoiadores. Foi o que aconteceu nessa quinta-feira ao usar o microfone numa cerimônia sobre novos projetos do Ministério do Turismo no Palácio Planalto.

Disse que encareceu ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, uma medida que libere do uso de máscaras as pessoas que já receberam vacinas contra o coronavírus.

As reações à iniciativa de Bolsonaro foram imediatas e partiram de médicos especialistas no assunto, principalmente os infectologistas. Asseguram que, bem ao contrário do que deseja o senhor que preside o país, o uso das máscaras é fundamental para não contrair o vírus corona. Ainda mais nesse momento, quando a possibilidade da onda indiana chegue ao Brasil e aumente ainda mais o número de mortos da pandemia, que já beira 480 mil.

Copiar o texto
10/06/2021 14:00h

Esse é o Podcast Orlando Brito, A Foto. Nele quero dividir com vocês algumas das histórias que vivi em toda a minha vida profissional de fotojornalista

Estou há muitos anos fotografando tudo que acontece aqui no Brasil e muitas vezes no exterior, mas sobretudo na chamada seara do poder, em Brasília. Esse é o Podcast Orlando Brito, A Foto.

Nele quero dividir com vocês algumas das histórias que vivi em toda a minha vida profissional de fotojornalista.

No primeiro episódio vocês vão conhecer os bastidores da foto do Grande Otelo, ator, comediante, cantor, produtor e compositor brasileiro. 

Espero que gostem. Sejam bem-vindos!

Um abraço, Orlando Brito. 

Copiar o texto
10/06/2021 11:00h

Um dos temas sobre os quais mais se falou nas últimas semanas foi a relação de Jair Bolsonaro com as Forças Armadas

Um dos temas sobre os quais mais se falou nas últimas semanas foi a relação de Jair Bolsonaro com as Forças Armadas. E especialmente com o Exército, em decorrência da crise que gerou o fato de o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, tê-lo acompanhado naquele evento no Aterro do Flamengo, no Rio, quando ambos subiram num carro de som, tido como palanque eleitoral, o que não é admitido pelas normas militares.

O episódio esquentou, ferveu e só aparentemente esfriou quando o Alto Comando do Exército decidiu, para atender a uma ordem de Bolsonaro, não punir Pazuello por infringir a lei. Com a indicação do general para a Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República e a sucessão de fatos dos últimos dias — os depoimentos na CPI da Pandemia no Senado; as acusações contra o ministro Ricardo Salles, do Meio-Ambiente; a ação das PMs nas manifestações de rua etc — o assunto ficou mais ou menos esquecido. Mais ou menos.

Nessa quinta-feira, Jair Bolsonaro participa da cerimônia de comemoração do 22o. aniversário de criação do Ministério da Defesa. Presente também o alto escalão das Forças Armadas. Principalmente do ministro Braga Netto, talvez o maior aliado do senhor que preside o país. Coincide com a apresentação na Câmara dos Deputados de uma Proposta de Emenda Constitucional que proíbe oficiais generais assumirem cargos na gestão pública.

Copiar o texto
09/06/2021 09:50h

Nesta terça-feira, discutia-se na Câmara dos Deputados, em sessão remota, três Projetos de Lei que propõem mudanças na exploração em terras indígenas

Nessa terça-feira, as atenções da mídia estavam voltadas para o depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na CPI do Senado. Mas enquanto isso, discutia-se na Câmara dos Deputados, em sessão remota, três Projetos de Lei que propõem mudanças na exploração em terras indígenas. Se aprovados, irão ditar novas regras para a mineração e garimpo. 

E foi justamente por esta razão que em torno de 50 índios de 10 etnias de várias regiões do Brasil vieram à Capital buscar apoio dos parlamentares ambientalistas contra a votação das medidas. O grupo liderado pelo cacique Kretã Kaingang, então, fez um protesto bem surpreendente: ocupou a superfície superior do edifício do Congresso, área nunca permitida para protestos.

Os guardas e agentes de segurança das duas Casas do Parlamento foram apanhados de surpresa. Para o bem de todos, não houve conflito de armas de fogo contra flechas e tacapes.

Copiar o texto
08/06/2021 10:05h

Mozart Vianna era a expressão da discrição e humildade

Durante o período da Constituinte, Dr. Ulysses jamais deixava de consultar e ouvir Mozart Vianna para dirimir dúvidas sobre o Regimento Interno da Casa. Sempre o consultava sobre a possibilidade legal das novas regras da Constituição. Por essa mesma razão, Michel Temer quando assumiu a Presidência da República no lugar de Dilma Rousseff, que sofreu impeachment, o levou para assessorá-lo no Planalto para garantir a justeza dos decretos, medidas provisórias etc que o governo propunha ao Congresso.

Mozart Vianna era a expressão da discrição e humildade. Começou no serviço público como datilógrafo mas, sem muito alarde, estudava com afinco para formar-se em Letras na Universidade de Brasília. Assumiu a Secretaria da Mesa da Câmara ainda nos tempos de Ulysses Guimarães. Os também presidentes da Câmara, Luis Eduardo Magalhães, Paes de Andrade, Henrique Alves, Inocêncio de Oliveira, Aécio Neves, Eduardo Cunha e outros jamais dispensaram os conhecimentos de Mozart. 

Doutor Morzart Vianna, que agora nos deixa aos 69 anos, era também a quem os colegas jornalistas, principalmente nos momentos de crise, buscavam ouvir para esclarecer dúvidas em nome da correção de suas matérias. Veja aí nessa foto que fiz ainda 2015, no Cafezinho do Plenário, cercado de repórteres.

Copiar o texto
07/06/2021 11:05h

A CPI da Pandemia no Senado tem sido a grande fonte de notícias para jornais, portais, blogs, rádios, tevês

A CPI da Pandemia no Senado tem sido a grande fonte de notícias para jornais, portais, blogs, rádios, tevês, etc. Já foram lá depor nomes importantes relativos ao tema. A começar pelos ex-ministros da Saúde Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello. E também das médicas Mayra Pinheiro, Nise Yamaguchi e Luana,  Araújo, além do embaixador Ernesto Araújo, do almirante Barra Torres, da Anvisa, do publicitário Fábio Wajngarten e do Dr. Dimas Covas, do Instituto Butantan.

A agenda dessa semana prevê a presença do coronel Élcio Franco -- que foi assessor do Ministério da Saúde no período Pazuello --, da infectologista Natália Pasternak e, possivelmente, o retorno à Comissão de Marcelo Queiroga. Estão em discussão a convocação do deputado Osmar Terra, de governadores e prefeitos e ainda do general Pazuello.

São, por fim, temas que com certeza irão prender a atenção de todos.

Sem falar que nessa terça-feira a polêmica questão da realização da Copa América no Brasil pode ser decidida. Após o jogo da Seleção contra o Paraguai, os jogadores e a comissão técnica dirão sua posição sobre participação ou não na competição. A crise aberta com a suspensão do presidente da CBF, Rogério Caboclo, acusado de assédio sexual, torna ainda mais imprevisível o desfecho da questão.

E também da progressão de casos de infecção e óbitos decorrentes da Covid-19. E mais: surgirão novos acontecimentos, novas emoções? A ver...

Copiar o texto
06/06/2021 14:38h

A imunização é a maneira mais objetiva para fugirmos do risco de contrair o CoronaVírus

A imunização é a maneira mais objetiva para fugirmos do risco de contrair o Coronavírus. Desde que a pandemia da Covid instalou-se no Brasil e no mundo, a corrida para vacinar-se é intensa, não somente em nosso país, mas também no Exterior.

Não há um dia sequer que não haja manifestação nas ruas como forma de protesto por conta do desacerto das autoridades para adquirir os imunizantes. É tema constante em todas as mídias. Jornais, revistas, rádios, tevês e nas redes sociais da Internet. Até uma CPI está em pleno funcionamento no Senado. Com depoimentos dos mais informativos e contraditórios.

Mas é nas ruas que mais se vê o apelo pelas vacinas. E olha que são pessoas de todas as idades, como esse jovem que usa a própria roupa para manifestar seu apelo.

Copiar o texto
04/06/2021 17:00h

Todos os 18 integrantes são homens, sem a representação feminina, nem mesmo como suplentes

A CPI da Pandemia é um dos temas mais publicados pela mídia no momento, tanto nos jornais, revistas e nas redes sociais, quanto nas tevês e rádios etc. Além dos outros temas em pauta, prende a atenção de todos os interessados nos assuntos importantes do que acontece no Brasil.

Eu mesmo estou lá diariamente, cobrindo o depoimento dos convocados e convidados para depor.
 
Interessante como uma Comissão de tamanha relevância - que pretende apurar os verdadeiros responsáveis na condução da pandemia da Covid -- não tem como titular sequer uma senadora. Todos os 18 integrantes são homens, sem a representação feminina, nem mesmo como suplentes. E olha que atualmente são 12 mulheres eleitas com assento na Casa.

A sala onde funciona a CPI fica na Ala Alexandre Costa, um extenso corredor em um dos anexos do Congresso. E é justamente lá que se encontra um painel com a foto de todas as senadoras que tiveram mandato: 59. Algumas, senadoras mais de uma vez.

 Essa foto, portanto, representa uma ironia da realidade. 

Orlando Brito

Copiar o texto
Orlando Brito, A Foto
03/06/2021 15:59h

A amizade dos senadores Pedro Simon e Jarbas Vasconcelos vem dos tempos em que lutavam no Congresso contra o regime militar, liderados por Ulysses Guimarães, nas décadas de 1970 e 80

A amizade dos senadores Pedro Simon e Jarbas Vasconcelos vem dos tempos em que lutavam no Congresso contra o regime militar, liderados por Ulysses Guimarães, nas décadas de 1970 e 80. À época, o governo só permitia o funcionamento de dois partidos. A Arena, que era sua base parlamentar, e o MDB, de oposição, dividido em várias alas. Jarbas e Simon eram pontas-de-lança de uma delas, o Grupo Autêntico, formado pelos liberais.

O MDB tinha também conservadores, os Moderados. Esse grupo venceu a votação interna do partido apresentando Tancredo Neves como concorrente na eleição indireta para concorrer à Presidência contra o candidato do Planalto. Jarbas não concordou e deixou o MDB. Tancredo foi ao Colégio Eleitoral e ganhou. Venceu e morreu. Ao assumir no lugar de Tancredo, José Sarney manteve o convite a Simon para o Ministério da Agricultura. Jarbas filiou-se ao PSB e se elegeu prefeito de Recife. Em 1989, voltou ao antigo partido, agora PMDB, e dele até se tornou seu presidente.

Hoje, Jarbas exerce mandato de deputado Federal. E Simon, aos 86 anos, não disputou a última eleição.

Copiar o texto
Brasil 61