Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Vacina

04/03/2021 14:00h

Esse lote será destinado à aplicação da segunda dose em pessoas que já receberam a primeira

Baixar áudio

A remessa de 174,8 mil doses de vacinas CoronaVac, contra a Covid-19, que começaram a ser distribuídas aos municípios gaúchos.  A entrega depende da logística das equipes da Secretaria Estadual da Saúde (SES). Esse lote será destinado à aplicação da segunda dose em pessoas que já receberam a primeira. 

O prazo do esquema vacinal da CoronaVac é de duas a quatro semanas, mas a recomendação no Estado é que seja em 28 dias. A segunda dose da vacina de Oxford/AstraZeneca deve ser aplicada com 12 semanas de intervalo. 

Covid-19: consórcio público para aquisição de vacinas será instalado em março

Todos os idosos da cidade do Rio devem ser vacinados, até o fim de abril, contra Covid-19

Esta é a sexta remessa de vacinas contra o coronavírus enviadas ao estado, que também já recebeu doses do imunizante de Oxford/AstraZeneca. Os dois lotes mais recentes chegaram ao RS na semana passada, no dia 24 de fevereiro, com 84,2 mil doses da CoronaVac e 135 mil da Oxford/AstraZeneca.

Com a nova remessa desta semana, o estado já recebeu 1.098.400 doses, incluindo os dois tipos de vacina. 

Copiar o texto
04/03/2021 11:20h

Brasil registrou recorde de mortes nesta quarta-feira (3): 1.840 vítimas da Covid-19

Baixar áudio

O Ministério da Saúde informou que tem contratos alinhados para a compra da vacina russa Sputnik V contra a Covid-19. Além disso, com a aprovação do Projeto de Lei nº 534/2021 pela Câmara dos Deputados, a pasta oficializou intenção de adquirir 138 milhões de doses das vacinas da Pfizer e da Janssen. 

A proposta autoriza que o governo federal, estados e municípios assumam riscos de indenização de cidadãos em caso de efeitos adversos das vacinas. Essa era uma das exigências da Pfizer e que vinha travando as negociações com o Ministério da Saúde. 

Covid-19: consórcio público para aquisição de vacinas será instalado em março

Governos estaduais adotam novas restrições contra a Covid-19

Em documento publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira (3), o governo prevê a dispensa de licitação na compra. Assim, ela será feita diretamente com as empresas. O governo federal pretende comprar 100 milhões de doses da Pfizer e 38 milhões junto a Janssen. 

De acordo com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a expectativa é de que as doses estejam disponíveis para aplicação na população a partir de maio. Ontem, o Brasil registrou 1.840 mortes pela Covid-19, o maior resultado para um dia desde o início da pandemia.

Copiar o texto
04/03/2021 10:40h

Distribuição aos municípios começa na quinta-feira (4) e vai contemplar idosos 78 anos ou mais

Baixar áudio

O Ministério da Saúde enviou uma nova remessa com 28.800 doses da vacina Coronavac ao estado de Alagoas. Os imunizantes chegaram pelo Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, em Maceió. A distribuição aos municípios tem início hoje (4) e ocorre por meio das Centrais de Distribuição, localizadas na capital e na cidade de Arapiraca. 

As Secretarias Municipais de Saúde devem solicitar as vacinas e os insumos, pelo Sistema de Informações de Insumos Estratégicos, e agendar a retirada diretamente com as Centrais de Distribuição de Maceió e Arapiraca, pelo e-mail redefrioalagoas@gmail.com.

A nova remessa deve contemplar as pessoas com 78 anos ou mais – o que representa pouco mais de 10 mil alagoanos. Segundo o governador de Alagoas, Renan Filho, as novas doses também darão continuidade na vacinação dos profissionais de saúde.

Sebrae lança nova campanha para incentivar retomada segura da economia

Governos estaduais adotam novas restrições contra a Covid-19

Com o novo lote, Alagoas totaliza 228.860 doses de imunizantes contra a Covid-19 disponibilizados para a população. Desde janeiro, 99.303 pessoas já receberam a primeira dose. Em fevereiro, a Secretaria de Estado de Saúde iniciou a aplicação da segunda dose nos profissionais de saúde, dos quais 8.401 já foram contemplados.

Copiar o texto
04/03/2021 00:00h

De acordo com a FNP, o consórcio vai dar suporte aos municípios caso o Plano Nacional de Imunização, do governo federal, não consiga atender a demanda do País

Baixar áudio

Em reunião realizada no início da semana, a Frente Nacional de Prefeitos (FNP) definiu os trâmites da instituição de um consórcio público para aquisição de vacinas contra a Covid-19. A ideia é que todo o processo seja finalizado até o dia 22 de março.

De acordo com a entidade, o consórcio vai dar suporte aos municípios caso o Plano Nacional de Imunização (PNI), do governo federal, não consiga atender a demanda do País.

Sebrae lança nova campanha para incentivar retomada segura da economia

Todos os idosos da cidade do Rio devem ser vacinados, até o fim de abril, contra Covid-19

O município interessado não terá custo para aderir à iniciativa. Os entes podem participar do processo até esta sexta-feira (5). Para isso, é necessário o preenchimento de um formulário específico disponível no site da FNP.

De acordo com o PNI, a obrigação de adquirir imunizantes para a população é do governo federal. No entanto, como há urgência para vacinar a população, o consórcio público, amparado na segurança jurídica oferecida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), se torna uma possibilidade de acelerar esse processo.

Dados das secretarias de Saúde de todo o País apontam que o Brasil registra, até o momento, 10,5 milhões de casos confirmados de Covid-19. O número de mortos até o último domingo (28) era de quase 255 mil.

Copiar o texto
02/03/2021 14:10h

Estimativa foi feita pelo prefeito Eduardo Paes, em cerimônia do aniversário da cidade

Baixar áudio

Todos os idosos com mais de 60 anos, da cidade do Rio de Janeiro (RJ), devem ser vacinados até o fim de abril, contra Covid-19. A previsão foi feita pelo prefeito Eduardo Paes, em cerimônia do aniversário da cidade. O gestor municipal também espera imunizar, neste prazo, as pessoas com algum tipo de comorbidade.

No entanto, segundo o prefeito, a cobertura vacinal depende da chegada das doses. Até o momento, a Secretaria Municipal de Saúde informa que 346 mil cariocas já receberam a primeira dose do imunizante contra a Covid-19.

Covid-19: estados e municípios poderão assumir a responsabilidade civil por efeitos adversos provocados pela vacina

Punição trabalhista a funcionário que recusa vacina é discutida

O prefeito Eduardo Paes disse ainda que, por enquanto, não há previsão de decretar lockdown ou aumentar as restrições na cidade do Rio, porque, segundo ele, há uma diminuição de casos, de internações e de óbitos pela doença, no município.

Copiar o texto
02/03/2021 12:30h

Segundo Secretaria de Saúde Municipal, mais de 300 mil pessoas já haviam recebido a primeira dose da contra contra o novo coronavírus até a última sexta (26)

Baixar áudio

A cidade do Rio de Janeiro vai vacinar pessoas com 79 anos ou mais contra a Covid-19 até a próxima quarta-feira (3). Também podem se vacinar, hoje e amanhã, os profissionais de saúde com mais de 60 anos e que ainda não receberam a primeira dose. 

A imunização ocorre nos postos de saúde e clínicas da capital fluminense entre 8h e 17h. A primeira dose também será aplicada no Planetário da Gávea; no Museu da República, no Catete; no Tijuca Tênis Clube e na Igreja Nossa Senhora do Rosário, no Leme.

Covid-19: estados e municípios poderão assumir a responsabilidade civil por efeitos adversos provocados pela vacina

Ministério da Saúde adquire 20 milhões de doses de vacina contra a Covid-19 produzida na Índia

Copiar o texto
02/03/2021 11:50h

Ministério da Saúde adquiriu 20 milhões de doses da Covaxin, que é produzida pela Bharat Biotech

Baixar áudio

Técnicos da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) visitaram a fábrica da empresa indiana Bharat Biotech nesta segunda-feira (1º). A companhia produz a Covaxin, vacina contra a Covid-19, cujo Ministério da Saúde adquiriu 20 milhões de doses na última quinta-feira (25). 

Ao todo, cinco servidores da Anvisa vão avaliar os padrões de produção da matéria-prima usada na fabricação do imunizante. A inspeção deve se estender até sexta-feira e é necessária para que a agência conceda o Certificado de Boas Práticas de Fabricação ao laboratório farmacêutico. 

Ministério da Saúde adquire 20 milhões de doses de vacina contra a Covid-19 produzida na Índia

Covid-19: estados e municípios poderão assumir a responsabilidade civil por efeitos adversos provocados pela vacina

Copiar o texto
02/03/2021 10:25h

Até o momento, essa é considerada a maior carga do ingrediente que a Fiocruz recebeu para produção do imunizante contra a Covid-19

Baixar áudio

Um novo lote de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) para a produção da vacina da AstraZeneca chegou ao Brasil, no último sábado (27). O material veio da China e será utilizado pela Fiocruz para fabricação do imunizante contra a Covid-19.

Até o momento, essa é considerada a maior carga do ingrediente que a Fiocruz recebeu. O lote vai possibilitar a produção de 12 milhões de doses de vacina no Brasil.

Covid-19: estados e municípios poderão assumir a responsabilidade civil por efeitos adversos provocados pela vacina

Saúde: sem necessidade de prorrogação leitos de UTI poderão operar até o fim da pandemia para pacientes com COVID-19

As doses serão distribuídas no âmbito do Programa Nacional de Imunização (PNI). No início do último mês, o País recebeu o primeiro lote do IFA da vacina da AstraZeneca, permitindo a produção de 2,8 milhões de doses.

 

Copiar o texto
02/03/2021 00:00h

Objetivo do Projeto de Lei é facilitar a compra dos imunizantes por governadores, prefeituras e empresas privadas

Baixar áudioBaixar áudio

Estados, municípios e Distrito Federal poderão assumir a responsabilidade civil por eventuais efeitos adversos provocados pela vacina contra a Covid-19. O objetivo do Projeto de Lei 534/2021 é facilitar a compra dos imunizantes por governadores, prefeituras e empresas privadas. Segundo a proposta, as vacinas precisam ter registro ou autorização temporária de uso emergencial na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O Projeto de Lei também permite que empresas privadas adquiram doses do imunizante, desde que respeitados alguns critérios: enquanto não for concluída a etapa de vacinação dos grupos prioritários para Covid-19, 100% das doses compradas pelo setor privado devem ser doadas ao SUS. Depois dessa fase, as empresas poderão adquirir, distribuir e administrar vacinas, contanto que metade seja, obrigatoriamente, doada ao SUS e as demais sejam utilizadas de forma gratuita. 

COVID-19: Senado vota nesta terça (2) MP que facilita compra de vacinas

Punição trabalhista a funcionário que recusa vacina é discutida

Brasil precisa adquirir mais doses da vacina para combater Covid-19

O Senador Nelson Trad (PSD-MS) comenta a medida. “A partir do momento que o grupo – estabelecido como prioritário a ser vacinado pelo SUS – for totalmente contemplado, que possa ingressar também a iniciativa privada, para poder vacinar sua massa laborativa, colocando como contrapartida, a doação de 50% dos vacinados para disponibilizar ao SUS, a fim de que ele possa dar sequência a vacinação”, comenta.

Assunção de riscos

A professora de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília, Sílvia Badim Marques, ressalta o parágrafo 6º do Artigo 37 da Constituição Federal, que prevê a responsabilidade objetiva do Estado pelos danos causados por pessoas jurídicas a terceiros e isso já é aplicado no âmbito da saúde. Mas ressalta que o PL 534/2021 reforça essa medida.

“Então a lei vai reforçar essa responsabilidade dos estados, municípios e todas as pessoas jurídicas de direito público. Mas é importante dizer que não pode fazer com que o Ministério da Saúde e o Governo Federal deixem de lado sua responsabilidade [de comprar vacinas] e joguem ela totalmente para os estados e municípios”, avalia.

O texto foi encaminhado para análise da Câmara dos Deputados.

Copiar o texto
01/03/2021 11:25h

Expectativa é de que oito milhões de doses cheguem ao Brasil ainda no mês de março

Baixar áudio

O Ministério da Saúde assinou contrato de R$ 1,6 bilhão para a compra de 20 milhões de doses da vacina Covaxin. A aquisição do imunizante contra a Covid-19 foi acordada com a Precisa Medicamentos / Bharat Biotech. 
 
Oito milhões de doses devem chegar ao Brasil ainda no mês de março. Em abril, desembarca no País a mesma quantidade de doses. Outras quatro milhões devem chegar em maio. Todas as vacinas vão compor o Plano Nacional de Imunização (PNI). 

Reflexo da vacinação na pandemia pode durar meses, diz Opas

Punição trabalhista a funcionário que recusa vacina é discutida

Copiar o texto