Vacina

25/01/2022 13:30h

Além disso, 78% da população com 12 anos ou mais já está imunizada com duas doses ou recebeu a dose única

Baixar áudio

O estado do Rio de Janeiro já vacinou mais de 2,7 milhões de pessoas com a dose de reforço contra a Covid-19. A dose adicional pode ser aplicada no prazo de quatro meses após a segunda imunização ou da dose única. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, pede que a população busque os postos de saúde para completar o calendário vacinal.
 
“Meus amigos do Rio de Janeiro, peço que fiquem atentos ao calendário vacinal e procure um posto de vacinação quando chegar a sua vez. A dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir internações e óbitos aqui em nosso estado.”

O empresário Sérgio Alexandre Ferreira, de 58 anos, já está imunizado com a dose de reforço e se diz mais tranquilo, mesmo com o aparecimento de novas variantes.

“Diante da nova variante da Covid, a gente se sente mais tranquilo. A gente se sente menos vulnerável ao vírus. A gente sabe que pode pegar, mas já não se tem tanto medo porque a gente sabe que se pegar, as complicações são menores".

O Rio de Janeiro conta com 78% da população com 12 anos ou mais vacinada com duas doses ou a dose única. São mais de 13 milhões de pessoas imunizadas. Em toda a região, o número de doses aplicadas ultrapassa os 27,4 milhões. Os dados são do vacinômetro do estado e foram atualizadas no dia 20 de janeiro.

Reforce a sua proteção! Se já tomou a primeira dose da sua vacina da covid-19, não se esqueça de tomar a segunda dose. Mantenha a distância segura, lave as mãos com água e sabão, mantenha os ambientes ventilados e use máscara.

 

Copiar o texto
25/01/2022 12:00h

O estado pede para que os moradores se atentem ao cartão de vacinação e busquem as unidades de saúde

Baixar áudio

O Espírito Santo tem cerca de 130 mil pessoas com a terceira dose da vacina contra a Covid-19 atrasada. Já o número de pessoas com a segunda dose em atraso ultrapassa os 320 mil. Completar o esquema vacinal é importante no combate à doença. O ministro da saúde, Marcelo Queiroga, faz um apelo à população.  

"Peço que fiquem atentos ao calendário vacinal e procure um posto de vacinação quando chegar a sua vez. A dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir internações e óbitos aqui em nosso estado".

Mara Ventura, de 39 anos, trabalha como auxiliar de serviços gerais e já garantiu as duas doses da vacina e afirma que se imunizar faz parte da vida dos brasileiros. 

"Desde criança tomamos as vacinas, não é agora que vamos nos descuidar. Trouxe a sensação de gratidão".

O Espírito Santo já aplicou mais de 6,9 milhões de vacinas contra a doença. E 2,8 milhões de moradores já receberam duas doses ou dose única contra a doença. Os dados são do vacinômetro do estado e foram atualizados no dia 24 de janeiro.

Complete seu esquema vacinal e fique protegido! Vá até a unidade de saúde mais próxima e tome a 2° dose ou a dose de reforço.

Copiar o texto
25/01/2022 05:00h

Moradores do Ceará devem completar o esquema vacinal e tomar a dose de reforço após quatro meses

Baixar áudio

Os moradores do Ceará que ainda não tomaram a segunda dose da vacina contra a Covid-19 precisam completar o esquema vacinal. E quem já pode tomar a dose de reforço também deve buscar o local de vacinação mais próximo o quanto antes. O alerta é do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

“Olá, meus amigos do Ceará. Peço que fiquem atentos ao calendário vacinal e procurem um posto de vacinação quando chegar a sua vez. A dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir hospitalizações e óbitos aqui no estado.”

O reforço é aplicado quatro meses depois da segunda dose. O autônomo Romário Bezerra, de 29 anos, que mora no município de Quiterianópolis, conta que demorou para se vacinar, mas agora aguarda ansioso para tomar a segunda dose do imunizante.

“Tomei a primeira dose recentemente, justamente para ter minha liberdade de viajar para outros estados, ter acesso a locais particulares e públicos, além de poder confraternizar com os amigos. E pretendo tomar a segunda dose.”

Até o momento, o número de doses da vacina contra a Covid-19 aplicadas no Ceará ultrapassa 15 milhões. Desse total, cerca de 178 mil correspondem à dose única. Foram mais de 7 milhões de vacinas aplicadas como primeira dose e outros 6 milhões como segunda. Já as doses de reforço superam 2 milhões. Os dados são da Secretaria Estadual de Saúde e foram atualizados no dia 23 de janeiro.

Reforce a sua proteção! Se já tomou a primeira dose da sua vacina da covid-19, não se esqueça de tomar a segunda dose. Mantenha a distância segura, lave as mãos com água e sabão, mantenha os ambientes ventilados e use máscara.

Copiar o texto
25/01/2022 04:45h

Estado conta com 83% da população vacinável imunizada. Autoridades pedem atenção aos prazos

Baixar áudio

O número de vacinados com a terceira dose contra a Covid-19 no estado de Santa Catarina já ultrapassa 1 milhão de pessoas. A imunização é feita após quatro meses da aplicação da segunda dose da vacina. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, pede que a população fique atenta aos prazos.

"Peço que fiquem atentos ao calendário vacinal e procure um posto de vacinação quando chegar a sua vez. A dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir internações e óbitos aqui em nosso estado."

O estado conta com mais de 86,93% da população vacinada com ao menos duas doses contra a Covid-19 ou com a dose única. Uma delas é a moradora de Florianópolis Priscilla Kovacs Efigenio, de 28 anos.

"A gente que vive aqui, precisa ir no mercado, precisa ir trabalhar, pegar uma transporte público, sem dúvidas me sinto muito aliviada de ser tido o privilégio de ter sido vacinada.”

Santa Catarina já aplicou mais de 13 milhões de doses. Os dados são do vacinometro do estado e foram atualizados no dia 24 de janeiro.

Complete seu esquema vacinal e fique protegido! Vá até a unidade de saúde mais próxima e tome a 2° dose ou a dose de reforço.

Copiar o texto
25/01/2022 04:30h

Todos os postos de saúde da cidade estão preparados para completar o esquema vacinal

Baixar áudio

Cerca de 2,6 milhões de pessoas estão com a segunda dose da vacina contra a Covid-19 atrasada no estado de São Paulo. Os postos de saúde estão preparados para receber quem ainda não completou o esquema vacinal. Segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, esse passo é importante para vencer a pandemia.

"Peço que fiquem atentos ao calendário vacinal e procure um posto de vacinação quando chegar a sua vez. A dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir internações e óbitos aqui em nosso estado."

Mais de 14,6 milhões de doses de reforço já foram aplicadas em todo o estado. Thyago Cezar  é advogado e não vê hora de receber a terceira dose. Morador da cidade de Bauru, ele diz que receber o imunizante foi uma alegria.

"Eu não vejo a hora de tomar a dose de reforço porque é uma oportunidade [..] de poder reencontrar as pessoas que a gente ama, poder abraçar. E a dose de reforço é uma esperança ”

O estado conta com cerca de 80,2% da população com o esquema vacinal completo. Mais de 35,9 milhões de imunizantes foram aplicados em todo o estado como segunda dose. Os dados são do vacinômetro e foram atualizados no dia 24 de janeiro.

Reforce a sua proteção! Se já tomou a primeira dose da sua vacina da covid-19, não se esqueça de tomar a segunda dose. Mantenha a distância segura, lave as mãos com água e sabão, mantenha os ambientes ventilados e use máscara.

Copiar o texto
25/01/2022 04:15h

Mais de 2,4 milhões de pessoas já receberam a dose adicional do imunizante

Baixar áudio

No Rio Grande do Sul, 86% da população maior de 12 anos já está com o esquema vacinal completo. Agora, as autoridades pedem para que a população fique atenta no prazo para receber a dose de reforço. O alerta é do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

"Peço que fiquem atentos ao calendário vacinal e procure um posto de vacinação quando chegar a sua vez. A dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir internações e óbitos aqui em nosso estado."

Mais de 2,4 milhões de pessoas já receberam a dose adicional do imunizante no estado. Leonardo Petersen tem 25 anos e espera o prazo para comparecer ao posto de saúde. Ele já tomou as duas primeiras doses.

"Me sinto muito aliviado e feliz de ver que a ciência conseguiu avançar tão rapidamente no combate à uma pandemia global e também me sinto seguro em relação a minha família.”

O número de imunizados com ao menos duas doses ou a dose única já ultrapassa 8,2 milhões de pessoas. Os dados são do vacinômetro da cidade e foram atualizados no dia 22 de janeiro. 

Reforce a sua proteção! Se já tomou a primeira dose da sua vacina da covid-19, não se esqueça de tomar a segunda dose. Mantenha a distância segura, lave as mãos com água e sabão, mantenha os ambientes ventilados e use máscara.

Copiar o texto
25/01/2022 04:00h

Autoridades pedem que a população fique atenta aos prazos e que complete o esquema vacinal

Baixar áudio

O número de vacinados no estado do Paraná já passa de 9,3 milhões de pessoas. Mas quem ainda não tomou a segunda dose da vacina contra a Covid-19 precisa completar o esquema vacinal. E aquelas pessoas que já podem tomar a dose de reforço também devem buscar o local de vacinação mais próximo o quanto antes. O ministro da saúde, Marcelo Queiroga, ressalta a importância de se cumprir os prazos. 

"Peço que fiquem atentos ao calendário vacinal e procure um posto de vacinação quando chegar a sua vez. A dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir internações e óbitos aqui em nosso estado."

Em todo o estado, mais de 17,8 milhões de doses foram aplicadas para proteger a população. A moradora de Curitiba Gisele Pozavski, de 34 anos, afirma que a vacina tira um pouco do medo da doença.

"Traz uma sensação de liberdade e aquela coisa que dá um quentinho no coração, um conforto que a gente vai ter uma vida normal muito em breve"

No estado, 7,5 milhões de pessoas estão com a segunda dose e 324 mil receberam a imunização em dose única. Os dados são do vacinômetro do estado e foram atualizados no dia 24 de janeiro.

Complete seu esquema vacinal e fique protegido! Vá até a unidade de saúde mais próxima e tome a 2° dose ou a dose de reforço.

Copiar o texto
24/01/2022 18:05h

Moradores do DF devem completar o esquema vacinal e tomar a dose de reforço após quatro meses

Baixar áudio

Os moradores do Distrito Federal que ainda não tomaram a segunda dose da vacina contra a Covid-19 precisam completar o esquema vacinal. E quem já pode tomar a dose de reforço também deve buscar o local de vacinação mais próximo o quanto antes. O alerta é do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.
 
“Peço que fiquem atentos ao calendário vacinal e procurem um posto de vacinação quando chegar a vez. A dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir hospitalizações e óbitos.”

O reforço é aplicado quatro meses depois da segunda dose. Uma das contempladas com a vacina foi a atendente comercial Graziela Mendes, de 19 anos. Moradora de Brasília, ela destaca a importância da vacina

“Eu já tomei as duas doses da vacina contra a covid, aqui em casa minha irmã e meus pais também já se vacinaram, e é de extrema importância que todos se vacinem, porque é um ato de amor a você e aquele que está ao seu lado, é algo que salva vidas, que faz muita diferença.”

Até o momento, o número de doses da vacina contra a Covid-19 aplicadas no Distrito Federal ultrapassa 5 milhões. Desse total, cerca de 58 mil correspondem à dose única. Foram 2,3 milhões de vacinas aplicadas como primeira dose e outras 2,1 milhões como segunda. Já as doses de reforço totalizam mais de 640 mil. Os dados são da Secretaria de Saúde do DF e foram atualizados no dia 23 de janeiro.

Reforce a sua proteção! Se já tomou a primeira dose da sua vacina da covid-19, não se esqueça de tomar a segunda dose. Mantenha a distância segura, lave as mãos com água e sabão, mantenha os ambientes ventilados e use máscara.

Copiar o texto
22/01/2022 14:10h

1,8 milhão de pessoas da região podem tomar a dose de reforço ainda este mês

Baixar áudio

O Ministério da Saúde realizou neste sábado (22) em Manaus, no Amazonas, uma ação para estimular a vacinação contra a Covid-19 na região Norte do Brasil. A cidade foi afetada pela pandemia do novo coronavírus entre março e junho de 2020, quando corpos chegaram a ser enterrados em valas coletivas, e 2021 quando novamente o sistema hospitalar e funerário da cidade colapsaram.

Manaus tem hoje 75,07% da população vacinada com a primeira dose, 64,79% com a segunda dose, e apenas 17,78% com a terceira dose.

Segundo o ministério, a população do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins conta com cerca de 15 milhões de pessoas acima de 12 anos aptas a receberem a vacina. De acordo com a pasta, aproximadamente 1,8 milhão de pessoas da região podem tomar a dose de reforço ainda neste mês.

Em Manaus, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, reforçou a importância da segunda dose e da dose de esforço para evitar sintomas mais graves da doença, principalmente em áreas de difícil acesso, como é o caso da região que em muitos municípios só se chega de avião ou barco. 

“A região Norte tem muitos desafios, áreas remotas que só se tem acesso de avião. Aqueles que vocês conhecem, os chamem para tomar a vacina a primeira dose, a segunda dose e a dose de reforço.”

Queiroga também destacou a importância da testagem, que depois de feita é que se torna possível acompanhar as tais evoluções da pandemia de forma preventiva. 

As autoridades sanitárias recomendam que as pessoas com mais de 18 anos de idade que receberam as vacinas da Pfizer, AstraZeneca e CoronaVac tomem uma dose de reforço quatro meses após a última dose do esquema vacinal primário. A vacina a ser utilizada para a dose de reforço deve ser, preferencialmente, da plataforma de RNA mensageiro (Pfizer/Wyeth). Na falta deste imunizante, podem ser usadas as vacinas de vetor viral (Janssen ou AstraZeneca), independentemente do esquema vacinal primário.

Enquanto o ministro da Saúde esteve em Manaus, os secretários nacionais de Saúde que estavam representando a pasta, visitaram outras seis capitais.

Vacinas distribuídas

De acordo com o ministro da Saúde,Marcelo Queiroga, já são mais de 400 milhões de doses de vacina contra a Covid-19 distribuídas para aplicação por estados, municípios e o Distrito Federal. 

Copiar o texto
Covid
20/01/2022 20:05h

A decisão foi tomada de forma unânime nesta quinta (20). Até então, somente a Pfizer havia conseguido o sinal verde da agência reguladora

Baixar áudio

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta quinta-feira (20) a aplicação da CoronaVac em crianças e adolescentes entre seis e 17 anos de idade. A decisão foi tomada pela Diretoria Colegiada do órgão de forma unânime e inclui o grupo, exceto os imunossuprimidos, na bula da vacina contra a Covid-19. 

Segundo o órgão, “as evidências científicas disponíveis até o momento sugerem que há benefícios e segurança para a utilização da vacina na população pediátrica. A autorização levou em conta, também, a necessidade de ampliar as alternativas disponíveis para essa faixa etária”. 

Das vacinas em uso no Programa Nacional de Imunização (PNI), apenas a Pfizer já tinha autorização da Anvisa para ser aplicada em pessoas da mesma faixa etária.  De acordo com a agência, a ampliação do uso da CoronaVac tem como base estudos realizados em diversos países, como China e Chile, cujos resultados foram apresentados pelo Instituto Butantan, responsável pela produção do imunizante no Brasil. 

A aplicação da CoronaVac em crianças e adolescentes seguirá o mesmo esquema vacinal dos adultos, isto é, duas doses da vacina, com um intervalo de 28 dias entre a primeira e a segunda. 

A pediatra Natalia Bastos destaca que a CoronaVac já era aplicada em pessoas da mesma faixa etária de outros países, como no Chile, em que crianças acima dos três anos já podem tomar o imunizante. “É uma vacina segura. A aplicação dela induz produção de anticorpos em 50% dos casos. Ela tem menos efeito colateral e isso vai ser positivo, porque vai trazer uma maior adesão à vacinação”, acredita. 

Natalia diz que há pais que não querem vacinar os filhos com a Pfizer por medo de efeitos colaterais, como miocardite. Por isso, a liberação de mais um imunizante para uso em crianças e adolescentes pode ser benéfica. “Com a CoronaVac você pode se sentir mais seguro e, mesmo com uma menor produção de anticorpos, há uma melhora nos riscos da gravidade da doença, do risco de internação e, também, na redução dos casos sintomatológicos”, avalia. 

Para a infectologista Joana D'arc Gonçalves da Silva, a decisão da Anvisa é acertada, porque pode evitar falta de vacina. “A CoronaVac é uma vacina segura. Vários estudos já demonstraram que ela tem eficácia comprovada. Inclusive, alguns casos de pessoas que têm alergia severa à vacina da Pfizer, por exemplo, tiveram que tomar CoronaVac. É uma opção a mais, até para a gente poder ajustar, rever algumas possíveis reações adversas, e poder contribuir para acelerar a imunização da população”, afirma.  

Covid-19: pode tomar a vacina gripado?

COVID-19: Ministério da Saúde reduz de 10 para 5 dias isolamento para pacientes com casos leves

Terceira dose de vacina da AstraZeneca aumenta significativamente anticorpos contra variante Ômicron, diz estudo

Processo

O uso emergencial da CoronaVac no Brasil para pessoas acima de 18 anos foi autorizado em 17 de janeiro de 2021. Em julho do ano passado, o Butantan apresentou o primeiro pedido de ampliação do uso da vacina para a faixa etária dos três aos 17 anos. A Anvisa negou a solicitação alegando limitação de dados dos estudos apresentados à época. 

Em 15 de dezembro de 2021, o instituto entrou com nova solicitação junto à agência, com base em dados coletados no estudo clínico conduzido com crianças no Chile.  

A Anvisa, no entanto, destaca que a aplicação da CoronaVac está proibida em crianças imunocomprometidas, ou seja, que têm o sistema imunológico mais debilitado e são mais vulneráveis ao agravamento de doenças. 

Avaliação

A Anvisa avaliou estudos clínicos de fase I e II, dados preliminares dos estudos de eficácia, segurança e imunogenicidade (fase III) realizados com 14 mil crianças em cinco países, e de estudos de efetividade (fase IV) conduzidos com milhões de crianças no Chile. 

A incorporação da CoronaVac ao PNI para aplicação em crianças e adolescentes depende do Ministério da Saúde. Em entrevista recente à CNN Brasil, o ministro Marcelo Queiroga disse que caso fosse aprovada pela Anvisa e passasse por uma análise interna da pasta, a CoronaVac poderia ser disponibilizada ao grupo. 

Copiar o texto
Brasil 61