Chuva

09/08/2022 17:10h

As fortes chuvas devem atingir a região ao longo desta terça (9) e quarta-feira (10). Leste catarinense, litoral norte do Rio Grande do Sul e litoral sul paranaense serão os mais afetados

Baixar áudio

A Defesa Civil Nacional alerta para a previsão de chuvas intensas na região Sul ao longo desta terça (9) e quarta-feira (10). Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o leste de Santa Catarina, litoral norte do Rio Grande do Sul e litoral sul do Paraná poderão ser os locais mais afetados.

De acordo com o Inmet, os acumulados de chuvas podem ser superiores a 60 milímetros por hora ou 100 milímetros por dia, com ventos superiores a 100 km/h. Com isso, há risco elevado de danos em edificações, corte de energia elétrica, de queda de árvores, descargas elétricas, alagamentos, enxurradas e grandes transtornos no transporte rodoviário.

Também há risco de movimentos de massa, que indica a possibilidade de ocorrer deslizamentos nos municípios alertados no nordeste catarinense.

Diante da previsão, o Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad) já comunicou as defesas civis estaduais do risco e opera com equipes de plantão para acompanhar o registro de qualquer ocorrência significativa.

O coordenador-geral de Gerenciamento de Desastres da Defesa Civil Nacional, Tiago Molina Schnorr, pede para que a população fique atenta às informações oficiais e aos locais onde serão divulgados os alertas, além de adotar as medidas de autoproteção.

“É fundamental que a população para que adote algumas medidas de prevenção, como desligar aparelhos elétricos e quadro geral de energia. Em caso de enxurrada, coloque documentos e objetos de valor em sacos plásticos. Já em situação de grande perigo confirmada, procure abrigo e evite permanecer ao ar livre. É importante que a população fique atenta às informações oficiais e aos locais onde serão divulgados os alertas, além de adotar as medidas de autoproteção”, observou.

Ventos costeiros

A Defesa Civil Nacional também alerta para o risco de ventos costeiros na região metropolitana de Curitiba e litoral sul do estado de São Paulo. Em caso de acidentes, a recomendação é entrar em contato com a Defesa Civil, pelo telefone 199.

Alertas

A Defesa Civil Nacional orienta os moradores das regiões de risco a se inscreverem nos serviços de alerta, enviando um SMS, com o CEP do local onde mora, para o número 40199. Em caso de desastre, a população receberá um aviso. Outra recomendação é ficar atento aos alertas publicados no Twitter da Defesa Civil Nacional (@defesacivilbr) e do Instituto Nacional de Meteorologia (@inmet_).

Copiar o texto
03/08/2022 15:47h

As fortes chuvas devem atingir a região ao longo desta quarta (3) e manhã desta quinta-feira (4). Os estados de Alagoas e Pernambuco devem ser os mais afetados

Baixar áudio

A Defesa Civil Nacional alerta para a previsão de chuvas intensas na região Nordeste ao longo desta quarta (3) e manhã de quinta-feira (4). Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), os estados de Alagoas e Pernambuco devem ser os mais afetados.

De acordo com o Inmet, os acumulados de chuvas podem ser superiores a 60 milímetros por hora ou 100 milímetros por dia. Com isso, há risco elevado de alagamentos, deslizamentos de encostas e transbordamentos de rios.

Diante da previsão, o Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), opera com equipes de plantão para acompanhar o registro de qualquer ocorrência significativa e já comunicou as defesas civis estaduais do risco.

O coordenador-geral de Gerenciamento de Desastres da Defesa Civil Nacional, Tiago Molina Schnorr, pede para que a população fique atenta às informações oficiais e aos locais onde serão divulgados os alertas, além de adotar as medidas de autoproteção. “Quem mora em região com risco de inundação, precisa ficar atento a qualquer sinal de avanço da água, inclusive, dos rios. Já quem mora em locais com risco de deslizamentos, precisa verificar o aparecimento de trincas nas paredes e tomar cuidado com qualquer movimentação do terreno. Diante de qualquer indício é preciso sair da residência imediatamente e procurar um local seguro”, observou.

Oito cidades atingidas por desastres receberão mais de R$ 3,4 milhões para ações de defesa civil

Três cidades mineiras atingidas por desastres receberão mais de R$ 1,2 milhão para ações de defesa civil

Alertas

A Defesa Civil Nacional orienta os moradores das regiões de risco a se inscreverem nos serviços de alerta, enviando um SMS, com o CEP do local onde mora, para o número 40199. Em caso de desastre, a população receberá um aviso. Outra recomendação é ficar atento aos alertas publicados no Twitter da Defesa Civil Nacional (@defesacivilbr) e do Instituto Nacional de Meteorologia (@inmet_).

Copiar o texto
03/08/2022 14:10h

A cidade obteve o reconhecimento após passar por inundações

Baixar áudio

A Defesa Civil Nacional reconheceu situação de emergência na cidade de Iranduba, no Amazonas, atingida por inundações. A portaria com o reconhecimento federal foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (3). Confira neste link.

Como solicitar recursos federais

Após a concessão do status de situação de emergência ou de estado de calamidade pública pela Defesa Civil Nacional, os municípios atingidos por desastres estão aptos a solicitar recursos do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.

Governo Federal apresenta diagnóstico sobre gestão técnica de esgoto no Brasil

Mais R$ 269 mil liberados para ações de defesa civil na cidade de Abre Campo, em Minas Gerais

Capacitações da Defesa Civil Nacional

A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira neste link a lista completa dos cursos.

Copiar o texto
Desenvolvimento Regional
01/08/2022 16:33h

Recursos serão repassados a cidades dos estados de Alagoas, Amazonas, Minas Gerais, Pará e Pernambuco

Baixar áudio

Mais R$ 12 milhões são liberados para ações de defesa civil no estado de Minas Gerais e em 10 cidades do País atingidas por desastres naturais. As portarias com as liberações dos recursos foram publicadas na edição desta segunda-feira-feira (1) do Diário Oficial da União (DOU).

A maior parte dos recursos – R$ 9 milhões – serão destinados para o transporte e distribuição de água potável em cidades mineiras afetadas pela seca.

Ainda em Minas Gerais, o município de Joaíma, castigada por chuvas intensas, terá mais de R$ 537 mil à disposição para a construção de pontes. Já Teixeiras, afetada por alagamentos, contará com mais de R$ 273 mil para a reconstrução de ponte.

Pernambuco

Três municípios pernambucanos, todos afetados por chuvas intensas, também serão contemplados com recursos. Maraial terá R$ 239 mil para a compra de cestas básicas, colchões e kits de limpeza, higiene e dormitório. São José da Coroa Grande e Paranatama receberão R$ 45,5 mil e 20,8 mil, respectivamente, para a compra de galões de água.

‌Alagoas

Em Alagoas, o município de Feira Grande, atingido por chuvas intensas, contará com mais de R$ 310 mil para a compra de cestas básicas, galões de água, colchões, combustível, kits de limpeza, higiene e dormitório, além do aluguel de veículos.

Pará

No Pará, o município de Prainha receberá mais de R$ 917 mil para a compra de cestas básicas, colchões, kits de limpeza, higiene e dormitório, além de aluguel de lanchas e barcos. Alenquer contará com R$ 73 mil para a compra de combustíveis. Já Oriximiná terá R$ 54,8 mil para a compra de combustível e aluguel de barcos e lanchas. As três cidades foram afetadas por inundações.

Amazonas

Por fim, a cidade de Barreirinha, no Amazonas, atingida por inundações, terá cerca de R$ 628 mil para a compra de cestas básicas, redes e kits de higiene.

Como solicitar recursos federais

Após a concessão do status de situação de emergência pela Defesa Civil Nacional, os municípios atingidos por desastres estão aptos a solicitar recursos para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.

Conheça medidas de autoproteção em casos de baixa umidade do ar

Defesa Civil Nacional reconhece a situação de emergência em mais seis cidades brasileiras

Capacitações da Defesa Civil Nacional

A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD, a partir do Plano de Capacitação Continuada em Proteção e Defesa Civil. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira neste link a lista completa dos cursos de capacitação.

Copiar o texto
28/07/2022 12:50h

Estão na lista Beruri e Silves, no Amazonas, e Tracunhaém e Água Preta, em Pernambuco

Baixar áudio

A Defesa Civil Nacional reconheceu a situação de emergência em mais quatro cidades do País atingidas por desastres naturais. A portaria com os reconhecimentos federais foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (28). 

Dos quatro municípios, três registraram inundações. São eles: Beruri e Silves, no Amazonas, e Tracunhaém, em Pernambuco. Já Água Preta, também em Pernambuco, passou por chuvas Intensas.

Como solicitar recursos federais

Após a concessão do status de situação de emergência ou de estado de calamidade pública pela Defesa Civil Nacional, os municípios atingidos por desastres estão aptos a solicitar recursos do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.

Capacitações da Defesa Civil Nacional

A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira a lista completa dos cursos.

Copiar o texto
Desenvolvimento Regional
27/07/2022 18:10h

Medida foi aprovada em reunião do Conselho Monetário Nacional nesta terça-feira (26). Prazo para formalização dos financiamentos com recursos do FNE é até 30 de novembro

Baixar áudio

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou uma proposição do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) para ampliar o alcance das linhas de crédito emergenciais do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) voltadas a empreendedores urbanos, agricultores familiares e produtores rurais atingidos por chuvas intensas. A reunião que chancelou a medida ocorreu nesta terça-feira (26). Confira a resolução aqui

A medida vale para todos os prejudicados na área de atuação da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), que compreende os nove estados nordestinos e as porções norte do Espírito Santo e de Minas Gerais. Poderão solicitar os financiamentos junto ao Banco do Nordeste (BNB) aqueles atingidos pelas fortes chuvas no período entre 1º de novembro de 2021 até 31 de julho de 2022 – anteriormente, o prazo final era até 28 de fevereiro deste ano.

“Há a necessidade de as pessoas atingidas terem um suporte para alavancarem novamente seus negócios, suas empresas e suas atividades agrícolas depois dessas chuvas intensas. Essa linha de crédito vai permitir a recuperação das regiões mais afetadas e gerar  oportunidades”, destaca o ministro do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira.

As linhas de crédito emergenciais, tanto para empreendedores urbanos quanto para produtores rurais, amparam operações que sejam contratadas até 30 de novembro deste ano e são válidas para os empreendimentos e propriedades inseridos em municípios que tenham a situação de emergência ou o estado de calamidade pública reconhecido pelo Governo Federal, por meio do MDR. A contratação é condicionada à comprovação de perda da renda pelo tomador em função dos eventos climáticos adversos que tenham ocorrido entre 1º de novembro de 2021 até 31 de julho de 2022, mediante comprovação da instituição financeira credora.

Números

Ao todo, foram disponibilizados R$ 500 milhões por meio das linhas de crédito emergenciais do FNE. Desse total, R$ 109,15 milhões – o equivalente a 21,83% do total – já foram contratados por empreendedores urbanos, agricultores familiares e produtores rurais de 157 municípios.

Até agora, foram firmadas 1.254 operações financeiras. A maior parte ocorreu na Bahia, onde foram fechados 851 financiamentos, que somaram R$ 76,22 milhões.

Em Minas Gerais, foram contratados R$ 15,27 milhões (209 operações), enquanto atingidos pelas chuvas no Maranhão formalizaram financiamentos que somam R$ 15,08 milhões (164 contratações).

Na sequência, aparecem o Piauí, com R$ 1,55 milhão (17 contratos); Espírito Santo, com R$ 840 mil (8 termos); Sergipe, com R$ 170 mil (2 operações); e Pernambuco, com R$ 20 mil (3 financiamentos).

FNE

Os recursos do FNE são administrados pelo MDR e pela Sudene e concedidos por meio do Banco do Nordeste, aquecendo a economia e gerando emprego e renda nas regiões. Os financiamentos podem ser utilizados em projetos para abertura do próprio negócio, investimentos na expansão das atividades, aquisição de estoque e até para custeio de gastos gerais relacionados à administração do empreendimento.

Embora as operações de crédito sejam voltadas, prioritariamente, a atividades de pequeno e médio porte, também são asseguradas condições atrativas de financiamento a grandes investidores.

Copiar o texto
26/07/2022 16:45h

Ações devem ser realizadas antes, durante e após o desastre

Baixar áudio

No Brasil, os desastres naturais hidrológicos, entre eles as chuvas intensas, estão entre os mais frequentes e que mais causam danos. Diante dessa realidade, a Defesa Civil Nacional orienta que a população adote uma série de medidas de autoproteção em caso de ocorrências desse tipo.

Segundo a Classificação e Codificação Brasileira de Desastres (Cobrade), as chuvas intensas são aquelas que ocorrem com acumulados significativos, causando múltiplos desastres, como inundações, movimentos de massa e enxurradas.

Para minimizar os impactos do desastre, a Defesa Civil Nacional orienta para ações a serem adotadas antes, durante e após as chuvas intensas. Veja abaixo as recomendações, que também estão disponíveis no Twitter.

Antes do desastre

  • Coloque documentos e objetos de valor em sacos plásticos bem fechados e em local protegido e de fácil acesso
  • Coloque móveis e utensílios em locais altos
  • Desligue os aparelhos elétricos, o quadro geral de energia e feche o registro de entrada de água
  • Tenha sempre lanternas e pilhas em condições de uso. Não use velas ou lamparinas devido ao risco de incêndio
  • Se houver risco de deslizamentos na região onde você mora, fique atento a qualquer sinal de rachaduras no terreno ou nas paredes
  • Cadastre-se para receber alertas. Envie um SMS para o número 40199, informando o CEP de sua residência

Durante o desastre

  • Feche bem as portas e janelas
  • Auxilie crianças, idosos e pessoas com dificuldade de locomoção próximas a você
  • Evite contato com a água de alagamentos, pois pode estar contaminada e provocar doenças
  • Nunca atravesse ruas alagadas, porque a força da água poderá arrastá-lo
  • Não pare o carro perto de árvores ou postes, porque eles podem cair ou atrair raios
  • Se houver qualquer sinal de movimentação no terreno, procure um local seguro

Após o desastre

  • Se a chuva alagar sua casa, lave e desinfete o chão, paredes, objetos caseiros e roupas atingidas. Use luvas e botas ou sacos plásticos duplos nas mãos e pés
  • Raspe toda a lama e retire o lixo do chão, das paredes, dos móveis e dos utensílios
  • Não use água de fontes naturais e poços depois do alagamento, porque podem estar contaminados
  • Volte para casa durante a luz do dia

Os desastres naturais hidrológicos também incluem os alagamentos, as inundações e as enxurradas. O primeiro é caracterizado pela extrapolação da capacidade de escoamento de sistemas de drenagem urbana e consequente acúmulo de água em ruas, calçadas ou outras infraestruturas urbanas, em decorrência de chuvas intensas. Saiba mais neste link.

As inundações são caracterizadas pela submersão de áreas fora dos limites normais de um curso de água em zonas que normalmente não se encontram submersas. O transbordamento ocorre de modo gradual, geralmente ocasionado por chuvas prolongadas em áreas de planície. Saiba mais neste link.

Já as enxurradas ocorrem devido ao escoamento superficial de alta velocidade e energia, provocado por chuvas intensas e concentradas, normalmente em pequenas bacias de relevo acidentado. O desastre é caracterizado pela elevação súbita das vazões de determinada drenagem e transbordamento brusco da calha fluvial, além de apresentar grande poder destrutivo.

Copiar o texto
25/07/2022 19:06h

Tiago Molina Schnorr, coordenador-geral de Gerenciamento de Desastres da Defesa Civil Nacional, destaca o que a população precisa fazer para se proteger.

Baixar áudio

No Brasil, os desastres naturais hidrológicos, entre eles as inundações, estão entre os mais frequentes e que mais causam danos. Diante dessa realidade, a Defesa Civil Nacional orienta que a população adote uma série de medidas de autoproteção em caso de ocorrências desse tipo.

Segundo a Classificação e Codificação Brasileira de Desastres (Cobrade), as inundações são caracterizadas pela submersão de áreas fora dos limites normais de um curso de água em zonas que normalmente não se encontram submersas. O transbordamento ocorre de modo gradual, geralmente ocasionado por chuvas prolongadas em áreas de planície.

Para minimizar os impactos do desastre, a Defesa Civil Nacional orienta para ações a serem adotadas antes, durante e após as inundações. Veja abaixo as recomendações, que também estão disponíveis no Twitter.

Antes do desastre

  • Sempre busque informações oficiais sobre o nível das calhas dos rios
  • Se houver risco de alagamentos ou inundações na região onde você mora, coloque documentos e objetos de valor em sacos plásticos bem fechados e em local protegido
  • Coloque seus móveis e utensílios em locais altos
  • Desligue os aparelhos elétricos, o quadro geral de energia e feche o registro de entrada de água
  • Tenha sempre lanternas e pilhas em condições de uso
  • Monte um kit com água potável, roupa e remédios, caso tenha que sair rápido da sua casa

Durante o desastre

  • Feche bem as portas e janelas
  • Auxilie crianças, idosos e pessoas com dificuldade de locomoção próximas a você
  • Garanta segurança aos animais de estimação
  • Evite contato com a água de inundações, pois pode estar contaminada e provocar doenças
  • Nunca atravesse pontes, ruas ou avenidas inundadas, mesmo estando de carro, moto ou bicicleta
  • Procure um local alto e espere o nível da água baixar
  • Se for imprescindível trafegar, tenha cuidado redobrado com buracos e bueiros sem tampas ou encobertos pela água. Utilize serviços de rádios ou aplicativos para verificar as rotas mais seguras

Após o desastre

  • Se a chuva inundar sua casa, lave e desinfete o chão, paredes, objetos caseiros e roupas atingidas. Use luvas e botas ou sacos plásticos duplos nas mãos e pés
  • Procure por trincas e estufamentos nas paredes, para verificar se sua casa não corre risco de desabar
  • Bebidas e alimentos que tiveram contato com águas devem ser descartados
  • Não use água de fontes naturais e poços depois da inundação, pois podem estar contaminados
  • Não use equipamentos elétricos que tenham sido molhados ou que estiveram em locais alagados, pois há risco de choque elétrico e curto-circuito
  • Volte para casa durante a luz do dia

Os desastres naturais hidrológicos também incluem os alagamentos e as enxurradas. O primeiro é caracterizado pela extrapolação da capacidade de escoamento de sistemas de drenagem urbana e consequente acúmulo de água em ruas, calçadas ou outras infraestruturas urbanas, em decorrência de chuvas intensas. Saiba mais neste link.

Já as enxurradas ocorrem devido ao escoamento superficial de alta velocidade e energia, provocado por chuvas intensas e concentradas, normalmente em pequenas bacias de relevo acidentado. O desastre é caracterizado pela elevação súbita das vazões de determinada drenagem e transbordamento brusco da calha fluvial, além de apresentar grande poder destrutivo.

Copiar o texto
24/07/2022 14:18h

Norte de Minas Gerais, oeste da Bahia e grande parte do estado de Goiás não vê chuva há mais de 90 dias

Baixar áudio

Depois de um longo período de seca, principalmente na parte central do Brasil, as chuvas devem estar presentes nos próximos três meses. A partir de agosto, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), são esperadas precipitações dentro e acima da média, principalmente no mês de outubro, quando a previsão é de retorno das chuvas em diversas regiões.

Desde maio o período seco predomina na região central do Brasil. Algumas áreas, como o norte de Minas Gerais, o oeste da Bahia e quase a totalidade do estado de Goiás não veem chuva há mais de 90 dias, o que já era esperado para essa época do ano.

Segundo o Boletim Agroclimatológico Mensal do Inmet, esse período seco refletiu na redução do armazenamento de água no solo, o que acaba sendo favorável para lavouras que se encontram em fase de maturação e colheita, segundo o último Boletim de Monitoramento Agrícola realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

MG: Tráfego liberado na pista principal da BR-381, em Nova Era

O TEMPO E A TEMPERATURA: Centro-Oeste sem chuva neste domingo (24)

O TEMPO E A TEMPERATURA: Possibilidade de chuva em boa parte da região Nordeste neste domingo (24)

Ainda de acordo com o Prognóstico Climático do Inmet, o maior volume de chuvas entre agosto e outubro estará presente em boa parte da Região Norte, com exceção do sul do Pará, quase todo o Nordeste, Santa Catarina e sul do Paraná. No Centro-Oeste, apenas Mato Grosso não deve receber um grande volume de precipitações.
 

Copiar o texto
22/07/2022 14:50h

Recursos serão repassados para municípios dos estados do Amazonas e do Pará

Baixar áudio

Cinco cidades da Região Norte do País atingidas por desastres naturais vão receber mais de R$ 2,5 milhões para ações de defesa civil. As portarias com as liberações dos recursos foram publicadas na edição desta sexta-feira (22) do Diário Oficial da União (DOU).

No Pará, o município de São Félix do Xingu vai receber mais de R$ 413 mil para o restabelecimento de pontes e bueiros. Já Concórdia do Pará terá mais de R$ 67 mil para a compra de combustível e aluguel de lanchas e barcos. As duas cidades foram afetadas por inundações.

Bom Jesus do Tocantins, também no Pará, atingida por enxurradas, terá à disposição mais de R$ 352 mil para a construção de cabeceiras de concreto para ponte.

Já a cidade de Jutaí, no Amazonas, vai ter mais de R$ 936 mil para a compra de cestas básicas, colchões, redes, combustível, marmitex, lanches, kits de limpeza, higiene e dormitório, além de aluguel de embarcação.

Por fim, o município de Atalaia do Norte, também no Amazonas, terá mais de R$ 792 mil para cestas básicas, combustível, colchões, redes e kits de limpeza e dormitório, além do aluguel de transporte fluvial e terrestre. Tanto Jutaí quanto Atalaia do Norte foram atingidas por inundações.

Como solicitar recursos federais

Após a concessão do status de situação de emergência pela Defesa Civil Nacional, os municípios atingidos por desastres estão aptos a solicitar recursos para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.

Capacitações da Defesa Civil Nacional

A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD, a partir do Plano de Capacitação Continuada em Proteção e Defesa Civil. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira neste link a lista completa dos cursos de capacitação.

Copiar o texto
Brasil 61