Habitação

29/11/2021 17:15h

Além do Programa Casa Verde e Amarela, projetos nos setores de saneamento, segurança hídrica, mobilidade e desenvolvimento urbano foram abordados durante o encontro

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) participou, nesta segunda-feira (29), do 14º ConstruBusiness, o Congresso Brasileiro da Construção. O secretário nacional de Habitação, Alfredo Eduardo dos Santos, apresentou políticas e projetos da Pasta na área habitacional e também ações do Governo Federal nos setores de saneamento, segurança hídrica, mobilidade e desenvolvimento urbano.

Em sua apresentação, o secretário abordou o Programa Casa Verde e Amarela. Ele destacou as principais modalidades da iniciativa, como a produção habitacional, a regularização fundiária, as melhorias habitacionais, a locação social e o Programa Pró-Moradia.

Além dos temas ligados à habitação, Alfredo dos Santos também apresentou projetos e ações de outras áreas do MDR, como o Marco Legal do Saneamento, o Projeto de Integração do Rio São Francisco e as concessões e parcerias público-privadas em áreas como esgotamento sanitário, abastecimento de água, resíduos sólidos urbanos e iluminação pública.

Alfredo dos Santos ressaltou a importância da parceria com a iniciativa privada para atrair investimentos para obras de infraestrutura. “Um dos desafios trazidos pela atual gestão é buscar que as ações e obras do Ministério do Desenvolvimento Regional possam ser viabilizadas muito mais por meio de parcerias do que da dependência do Orçamento Geral da União, que é cada vez mais restrito”, destacou o secretário.

“Na área de habitação, por exemplo, vamos trazer pela primeira vez na história uma parceria público-privada voltada à locação social. Outro exemplo é o Marco do Saneamento, que já viabilizou cinco leilões, com investimentos que chegam a R$ 63 bilhões em concessões. Está claro que bons projetos trazem resultados melhores e de forma mais rápida para a sociedade brasileira, desonerando o orçamento e possibilitando investimentos em outras necessidades brasileiras”, completou.

O Congresso

Promovido desde 1997 pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), com a participação ativa de empresários e representantes da iniciativa privada, do poder público, do meio acadêmico e da sociedade, o ConstruBusiness – Congresso Brasileiro da Construção é um dos principais fóruns de discussão de políticas públicas para a cadeia produtiva do setor.

Esta edição teve como tema central A cadeia produtiva da construção acelerando a retomada brasileira pós-pandemia. O debate abordou a contribuição que a cadeia produtiva da construção deve ter na recuperação e crescimento da economia brasileira no período pós-pandemia da Covid-19.

Copiar o texto
29/11/2021 14:30h

Diálogo regional visa a estruturar ações e planejamento para a implementação da política habitacional nas próximas duas décadas

Baixar áudio

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), promoveu, um webinário com representantes dos municípios da Região Norte para debater a construção do novo Plano Nacional de Habitação (PlanHab 2040), com vigência esperada até 2040. O encontro aconteceu na última sexta-feira (26).

“Este evento regional tem como objetivo colher percepções e sugestões locais, que serão usadas nas oficinas temáticas a serem realizadas em 2022”, explicou o secretário nacional de Habitação do MDR, Alfredo Eduardo dos Santos. “A ideia é que o PlanHab 2040 possa, efetivamente, representar as ideias do conjunto da sociedade civil brasileira para o enfrentamento das necessidades habitacionais, inclusive nos novos contextos que se apresentam”, acrescentou.

Além de integrantes do MDR, a conferência desta sexta-feira contou com agentes da cadeia produtiva, da academia, de organizações da sociedade civil e de administrações locais. Durante o diálogo, foram debatidos desafios e oportunidades sob a ótica da experiência na região Norte.

O diretor de Habitação da Companhia de Desenvolvimento de Roraima (Codesaima), Rodrigo Ávila, abordou a experiência habitacional do estado. Ele citou a crise na Venezuela como um componente extra a ser considerado no âmbito da política local.

“É uma situação que não se vê refletida em lugar nenhum do mundo. Nós temos 22 acampamentos de refugiados. A forma com que o Governo brasileiro tem feito é um exemplo para o mundo, migrando os venezuelanos para outros estados. São pessoas que estão contribuindo para o déficit habitacional do País e temos que considerar esse fator”, afirmou Ávila.

Temas como regularização fundiária e trabalhos sociais, entre outros, foram debatidos entre os participantes do webinário como ferramentas para combater o déficit habitacional. A professora Elizângela Francisca Sena, da Universidade Federal do Amazonas, reforçou que o tema de habitação social não deve ser explorado de forma global. “Cada região tem uma diversidade de comportamentos e culturas. A Região Norte, por exemplo, tem uma questão ambiental muito delicada. Não podemos desrespeitar a cultura local”, alertou.

O processo colaborativo de construção do Plano Nacional de Habitação 2023-2040 é fruto de parceria entre a Secretaria Nacional de Habitação (SNH) do MDR e o Ministério Federal da Cooperação Econômica e do Desenvolvimento (BMZ) da Alemanha, por meio da Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ).
Sustentabilidade ambiental

O PlanHab 2040 tem como desafio inovador a abordagem do eixo sustentabilidade ambiental. Em consonância com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e da Nova Agenda Urbana, o PlanHab deverá promover propostas e ações para um habitat com equilíbrio socioambiental. As dimensões de durabilidade, salubridade, segurança, conforto, acessibilidade e adaptação das soluções habitacionais são os principais componentes de sustentabilidade ambiental no Plano.

Webinários

Além do evento Nacional e da Região Norte, serão realizados outros quatro encontros regionais (confira calendário ao fim da matéria). Os webinários regionais contam com a contribuição de agentes da cadeia produtiva, da academia, de organizações da sociedade civil e de administrações locais.

Os Webinários do PlanHab 2040 são transmitidos pelo Youtube do Ministério do Desenvolvimento Regional. 

Além dos webinários, serão realizadas oficinas temáticas com membros da comunidade PlanHab 2040.

Confira o calendário com as próximas atividades:

Webinário Regional - Nordeste: 1º de dezembro de 2021
Webinário Regional - Centro-Oeste: 3 de dezembro de 2021
Webinário Regional - Sul: 8 de dezembro de 2021
Webinário Regional - Sudeste: 10 de dezembro de 2021
 

Copiar o texto
24/11/2021 20:00h

PlanHab 2040 visa estruturar ações e planejamento para a implementação da política habitacional nas próximas duas décadas

Baixar áudio

O Governo Federal iniciou, nesta quarta-feira, 24 de novembro, o processo colaborativo para elaboração do Plano Nacional de Habitação, que servirá de base para o planejamento e a implementação da política habitacional até 2040. 

Alfredo Eduardo dos Santos, secretário nacional de Habitação do Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, explica como será feita a construção do Plano . 

"A elaboração do PlanHab 2040 será diferente, aproveitando os avanços tecnológicos, que nos permite conversar com mais pessoas espalhadas por todo o Brasil e mais atores que façam parte desse ecossistema. Quanto maior a participação da sociedade civil e todos os atores, mais fidedignos serão os diagnósticos elaborados".

Além da conferência nacional, que foi realizada nesta quarta, o processo contará com outras cinco oficinas regionais, consultas e uma audiência pública.

Os debates contarão com a contribuição de agentes da cadeia produtiva, da academia, de organizações da sociedade civil e de administrações municipais e estaduais.

Para saber mais sobre o Plano Nacional de Habitação e outras ações de Habitação do Governo Federal, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
22/11/2021 21:00h

Durante a 30ª Assembleia Geral de Ministros e Autoridades Máximas de Habitação e Desenvolvimento Urbano da América Latina e Caribe, foram destacados avanços e desafios do Programa Casa Verde e Amarela

Baixar áudio

LOC: Compartilhar experiências, discutir desafios e encontrar soluções para a sustentabilidade da habitação social. Com esses objetivos, o Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, participou, nesta segunda-feira, 22 de novembro, da Assembleia Geral de Ministros e Autoridades Máximas de Habitação e Desenvolvimento Urbano da América Latina e Caribe. O encontro ocorreu em Cartagena, na Colômbia. 

Mirna Quinderé, secretária nacional de Habitação substituta do MDR, representou o Brasil no evento. Ela destacou os avanços que o Programa Casa Verde e Amarela trouxe para facilitar o acesso à moradia no País.

TEC./SONORA: Secretária Mirna Quinderé

“Tivemos a oportunidade de mostrar os avanços que tivemos nos últimos anos com a aprovação da lei do Casa Verde e Amarela, que envolve a produção de moradia financiada ou subsidiada, urbanização dos assentamentos precários, regularização fundiária, melhoria habitacional, o desenvolvimento institucional dos entes públicos, a modernização da cadeia produtiva da construtiva do setor da construção civil”

LOC: Mirna também destacou o empenho do Governo Federal em adotar uma agenda mais verde no Brasil. Entre as ações em andamento, ela citou o processo de elaboração de um novo Plano Nacional de Habitação, que será válido até 2040 e terá a sustentabilidade como novo eixo.

Plano Nacional de Habitação

O processo de elaboração de um novo Plano Nacional de Habitação (PlanHab 2040), com validade até 2040, também foi tema da apresentação na Colômbia. Mirna citou os quatro eixos do processo – financiamento e subsídio, arranjos institucionais, estratégias urbanas e fundiárias e cadeia produtiva da construção civil – e destacou o desafio de incluir o eixo de sustentabilidade, que é transversal a todos os outros. “Precisamos nos aprofundar nisso, trazer soluções mais concretas para este tema”, apontou.

Com a execução já iniciada, o PlanHab 2040 tem previsão de finalizar sua elaboração em 2022. Até lá, serão formulados e debatidos estudos técnicos e proposições para a implementação e monitoramento de medidas e mecanismos para abordar a questão da moradia nas diferentes regiões do País, com a contribuição de agentes da cadeia produtiva, da sociedade civil e de governos locais.

Para saber mais sobre o Programa Casa Verde e Amarela e outras ações de habitação do Governo Federal, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
Desenvolvimento Regional
19/11/2021 20:00h

Serão realizados, a partir de 24/11, seis encontros, um nacional e um para cada região do País. PlanHab 2040 visa estruturar ações e planejamento para a implementação da política habitacional nas próximas duas décadas

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) inicia, no próximo dia 24 de novembro, uma série de diálogos para a construção do Plano Nacional de Habitação, com vigência esperada até 2040 (PlanHab 2040). O instrumento servirá de base para o planejamento e a implementação da política habitacional do Governo Federal nas próximas duas décadas.

Com apoio da Escola Nacional de Administração Pública (Enap), serão realizados, até 10 de dezembro, seis webinários, um com enfoque nacional e os demais voltados às cinco regiões brasileiras.

Os webinários contarão com a contribuição de agentes da cadeia produtiva, da academia, de organizações da sociedade civil e de administrações locais. As inscrições para o evento nacional já estão abertas e podem ser feitas neste link.

“O PlanHab 2040 se apresenta como um instrumento dinâmico de planejamento da política pública de habitação no Brasil. Para isso, adota como fundamento a construção de uma metodologia técnica e participativa para sua elaboração, implementação e monitoramento”, destaca o Secretário Nacional de Habitação do MDR, Alfredo dos Santos.

Esta metodologia tem como base, por um lado, a formulação de um processo técnico que permita mapear os principais gargalos do setor habitacional no País, assim como desenhar cenários futuros de planejamento. Por outro, adota uma perspectiva de suporte e consulta à extensa rede de atores envolvidos com a temática no País.

O processo de elaboração do Plano Nacional de Habitação já foi iniciado e a previsão é que o plano de ação seja finalizado em 2022. Até lá, serão formulados e debatidos estudos técnicos e proposições para a implementação e monitoramento de medidas e mecanismos para abordar a questão da moradia nas diferentes regiões do País, com a contribuição de agentes da cadeia produtiva, da sociedade civil e de governos locais.
Sustentabilidade ambiental

Um dos desafios na elaboração do PlanHab 2040 será a abordagem da sustentabilidade ambiental de forma transversal. Em consonância com os Objetivos e Metas do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e da Nova Agenda Urbana, o PlanHab deverá promover propostas e ações para um habitat com equilíbrio socioambiental.

Confira o calendário com as próximas atividades:

Webinário Nacional: 24 de novembro de 2021
Webinário Regional - Norte: 26 de novembro de 2021
Webinário Regional - Nordeste: 1º de dezembro de 2021
Webinário Regional - Centro-Oeste: 3 de dezembro de 2021
Webinário Regional - Sul: 8 de dezembro de 2021
Webinário Regional - Sudeste: 10 de dezembro de 2021

*Todos os eventos ocorrem das 14h às 17h

Copiar o texto
19/11/2021 19:43h

Valores foram aprovados pelo Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço em reunião on-line nesta quinta-feira (18)

Baixar áudio

Foi aprovado nesta quinta-feira (18) o orçamento operacional do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para o ano 2022, além do plano plurianual de aplicação para o período de 2023 a 2025. Serão disponibilizados, nos próximos quatro anos, mais de R$ 326 bilhões para a contratação de projetos nas áreas de habitação, saneamento básico e infraestrutura urbana. As propostas foram encaminhadas pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), que é o gestor da aplicação dos recursos do Fundo, e referendadas pelo Conselho Curador do FGTS durante a 182ª Reunião Ordinária do colegiado.

A projeção é que o aporte possibilite, até 2025, a construção de 2,5 milhões de unidades habitacionais por meio do Programa Casa Verde e Amarela, além de beneficiar quase 56 milhões de brasileiros com obras de saneamento e infraestrutura urbana. Também há a expectativa de manutenção e geração de 7,4 milhões de empregos por todo o Brasil.

Segundo o ministro substituto do Ministério do Desenvolvimento Regional e conselheiro do Conselho Curador do FGTS, Daniel Ferreira, o investimento previsto vai promover benefícios para a população, com a entrega de moradias e obras que melhoram a qualidade de vida e, ao mesmo tempo, estimulam a atividade econômica.

“O FGTS é uma fonte importantíssima para a construção civil, que foi um setor que se manteve ativo mesmo durante a pandemia e que representa um percentual expressivo do PIB”, afirma. “É importante ressaltar a importância do setor para a economia e, consequentemente, a importância do FGTS para o PIB do País e para a geração de empregos, na medida em que fomenta a construção, tanto nas áreas de habitação popular quanto de saneamento e infraestrutura urbana”, completa Ferreira.

Financiamento habitacional

Do total previsto até 2025, R$ 278 bilhões serão destinados a financiamentos para a construção de novas residências. Outros R$ 34 bilhões serão disponibilizados para a concessão de descontos nos financiamentos para a aquisição da casa própria a pessoas físicas com renda familiar mensal de até R$ 4 mil – um incremento de R$ 4,5 bilhões para essa modalidade. Já as obras de saneamento poderão captar até R$ 19,7 bilhões, enquanto R$ 25,2 bilhões serão voltados a empreendimentos de infraestrutura urbana.

Em 2022, o orçamento operacional aprovado é de R$ 75,4 bilhões para a contratação de obras e de mais R$ 8,5 bilhões em subsídios para a aquisição de moradias.

Transparência

Durante a 182ª Reunião Ordinária do Conselho Curador do FGTS, o Ministério do Desenvolvimento Regional também anunciou a disponibilização de um novo painel de informações para acompanhamento da gestão da aplicação dos recursos do FGTS. A ferramenta de business intelligence (BI) pode ser acessada neste link. http://paineis.mdr.gov.br/ 

Nela, estão contidas as seguintes informações: Painel de Execução Orçamentária do FGTS, com dados históricos e atuais sobre o orçamento, sobre a execução dos recursos e sobre a carteira de operações contratadas com mutuários públicos e privados; Habitação – Pessoas Físicas, em que é possível acompanhar informações sobre a execução do orçamento de habitação com pessoas físicas, inclusive descontos concedidos; Execução do Orçamento Vigente, com informações sobre a execução do orçamento vigente por programa e por região do País; e Indicadores Econômicos do Fundo, que contém dados sobre ativo, passivo, patrimônio líquido, disponibilidades, arrecadação e saques do FGTS.

Copiar o texto
17/11/2021 19:00h

Encontro do Conselho Nacional dos Gestores Estaduais de Proteção e Defesa Civil terá dois dias de programação com diversas palestras

Baixar áudio

Começou nesta quarta-feira, 17 de novembro, encontro presencial do Conselho Nacional dos Gestores Estaduais de Proteção e Defesa Civil. Promovido pelo Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, o evento terá dois dias de duração e conta com a participação de representantes de defesas civis de vários estados do País.

A programação conta com palestras sobre temas como direitos em casos de desastres naturais e prestação de contas e transparência de recursos recebidos para ações de defesa civil. 

O evento terá, ainda, um espaço para que os estados apresentem dúvidas ou questionamentos e compartilhem boas práticas que possam servir de exemplo e serem replicadas em outros locais.

Durante a reunião, o coronel Alexandre Lucas, secretário nacional de Proteção e Defesa Civil do MDR, apresentou uma série de desafios enfrentados antes, durante e após os desastres naturais. Ele destacou a importância de as Defesas Civis estarem atentas, principalmente, durante o período que antecede as ocorrências. 

"A Defesa Civil precisa ter um trabalho muito robusto na prevenção, na mitigação e na preparação para os desastres porque aí quando eles acontecerem, o sofrimento é menor e as ações são mais coordenadas e competentes"

Também presente ao debate, o coronel André Có Silva, presidente do Conselho Nacional dos Gestores Estaduais de Proteção e Defesa Civil, destacou a importância de o evento ter sido realizado de forma presencial. Devido à pandemia, desde 2019, todas os encontros foram on-line.

"É um momento muito importante para o conselho. Vamos regatar os projetos que estávamos tocando, além de outros que estão por vir"

O Conselho Nacional é formado por representantes de todos os 26 estados e do Distrito Federal e tem como objetivo principal acompanhar e auxiliar o MDR na implantação da Política Nacional de Defesa Civil.

Para saber mais sobre as ações do Ministério do Desenvolvimento Regional na área de proteção e defesa civil, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
Desenvolvimento Regional
13/11/2021 17:00h

O Ministério do Desenvolvimento Regional apresentou nesta sexta-feira, 12 de novembro, as ações em habitação do Governo Federal a representantes de cidades com menos de 50 mil habitantes

Baixar áudio

O Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, apresentou nesta sexta-feira, 12 de novembro, as ações em habitação do Governo Federal a representantes de cidades com menos de 50 mil habitantes. Em evento promovido pela Associação dos Municípios de Pequeno Porte, o secretário nacional de Habitação, Alfredo dos Santos, destacou os benefícios do Programa Casa Verde e Amarela, lançado em agosto do ano passado.

“O Programa Casa Verde e Amarela fala em atendimento às necessidades habitacionais. Ele trata de regularização fundiária, de melhorias habitacionais, e também de produção habitacional e aluguel social”

Durante a apresentação, o secretário Alfredo dos Santos destacou que a o Casa Verde e Amarela adotou a menor taxa de juros da história do FGTS, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. A taxa pode chegar a 4,25 por cento ao ano. Com isso, o acesso à moradia ficou mais fácil.

O secretário abordou, ainda, o Programa Pró-Moradia, que apoia estados e municípios na execução de empreendimentos e ações de urbanização e regularização de assentamentos precários, por meio de financiamentos com recursos do FGTS.

Apenas este ano, 12 projetos apresentados por cidades brasileiras foram autorizados pelo MDR. No total, quase 180 milhões de reais poderão ser financiados para ações de regularização fundiária, melhorias habitacionais, urbanização integral ou parcial e intervenções estruturantes.

Para saber mais sobre os programas de habitação do Governo Federal, acesse mdr.gov.br

Copiar o texto
10/11/2021 19:03h

Programa do Governo Federal apoia estados e municípios, por meio de financiamentos com recursos do FGTS, na execução de obras de urbanização e regularização de assentamentos precários

Baixar áudio

Sete cidades brasileiras poderão investir, juntas, quase R$ 180 milhões para melhorar moradias de famílias de baixa renda. Elas foram autorizadas pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), a financiar esse valor por meio do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Os recursos poderão ser usados em ações de regularização fundiária, melhoria habitacional, urbanização integral ou parcial e obras de infraestrutura.

Os municípios com projetos selecionados neste ano para revitalizar comunidades são Curitiba, Campo Largo e São José dos Pinhais, no Paraná, Camaçari, na Bahia, Aracaju, em Sergipe, Barra do Corda, no Maranhão, e Varginha, em Minas Gerais. 

Alfredo dos Santos, secretário nacional de Habitação do MDR, explica como o Programa Pró-Moradia atua nas cidades. “Atualmente, são permitidas propostas para modalidade de urbanização e regularização de assentamentos precários que, justamente, visam melhorar as condições de moradias em favelas, palafitas, loteamentos informais, cortiços ou conjuntos já degradados.”

Os projetos devem ter valor de financiamento mínimo de R$ 1 milhão e máximo de R$ 50 milhões. O ente público deve aportar contrapartida de, no mínimo, 5% do valor do investimento total. As inscrições podem ser feitas a qualquer momento.

O processo de seleção é contínuo, ou seja, as propostas podem ser apresentadas a qualquer momento, por meio do preenchimento de carta-consulta on-line no SELEHAB, sistema para cadastramento e seleção de propostas junto aos programas habitacionais sob gestão da Secretaria Nacional de Habitação – com exceção do Programa Casa Verde e Amarela.

Modalidades

São cinco tipos de intervenções possíveis dentro da modalidade Urbanização e Regularização Fundiária que o estado ou município deverá avaliar e selecionar conforme as necessidades da área:

- Regularização fundiária: contempla ações para regularização fundiária da área, elaboração de projetos de infraestrutura e trabalho social.
- Melhorias habitacionais: contempla elaboração de projetos, aquisição de material de construção e mão de obra para a realização de melhorias habitacionais (desde que em áreas passíveis de regularização), aluguel provisório durante o período de obras e trabalho social.
- Urbanização integral: contempla ações integradas que incluem elaboração de projetos, infraestrutura urbana, reforma ou produção de novas moradias, equipamentos públicos, recuperação ambiental, contenção de riscos, trabalho social e regularização fundiária.
- Urbanização parcial: contempla o mesmo rol de ações de urbanização integral, porém destina-se a contemplar intervenções anteriores ou iniciar a atuação em áreas muito complexas, que necessitem intervenções em "camadas".
- Intervenção estruturante: contempla o mesmo rol de ações da urbanização integral, porém admite incluir componente de obra cujos benefícios são mais amplos que o perímetro do assentamento precário, alcançando também o entorno ou mesmo a cidade como um todo.

Projetos selecionados pelo Pró-Moradia em 2021

Varginha (MG) – Urbanização parcial na Vila Vicentina – Jardim Sion - R$ 1,1 milhão 
Barra do Corda (MA) – Regularização fundiária na Nossa Senhora das Dores - R$ 2 milhões 
Aracaju (SE) – Urbanização integral na Comunidade Nova Olaria - R$ 49,9 milhões 
Aracaju (SE) – Urbanização integral na Comunidade Recanto da Paz - R$ 30,7 milhões 
Camaçari (BA) – Melhorias Habitacionais em Nova Vitória - R$ 12,3 milhões 
Curitiba (PR) – Urbanização Parcial na Vila Cajuru 5B Q16 - R$ 1,8 milhões 
Curitiba (PR) – Urbanização integral na Vila Palmeiras - R$ 5,9 milhões 
Curitiba (PR) – Urbanização integral na Vila Ferrovila 4/5B - R$ 13,5 milhões 
Curitiba (PR)* - Urbanização integral na Vila Divino - R$ 9,8 milhões 
Campo Largo (PR) – Urbanização parcial no Jardim Melayne - R$ 5,4 milhões 
Campo Largo (PR) - Urbanização parcial no Jardim Novo Horizonte - R$ 3,5 milhões 
São José dos Pinhais (PR) – Intervenção estruturante no Jardim Modelo - R$ 38,7 milhões

Para saber mais sobre o Programa Pró-Moradia e outras ações de habitação do Governo Federal, acesse mdr.gov.br
 

Copiar o texto
17/09/2021 18:10h

O podcast Giro Brasil 61 faz uma seleção dos principais fatos e acontecimentos noticiados pelo Brasil61.com durante a semana

Baixar áudio

No episódio desta semana (17), o podcast Giro Brasil 61 comenta como mudanças no Programa Casa Verde e Amarela para facilitar a compra de um imóvel. Na área da saúde, vamos falar sobre as complicações por doenças cardíacas que podem matar 400 mil em 2021. O podcast começa com a informação de que o Pronampe permanente facilitou o acesso ao crédito e a pequena indústria a crescer no segundo trimestre.

Quer saber tudo? Aperte o play e confira!

Mudanças no Programa Casa Verde e Amarela facilitam ainda mais a compra da casa própria

Complicações por doenças cardíacas podem matar 400 mil em 2021

Pronampe permanente facilitou acesso ao crédito e ajudou pequena indústria a crescer no segundo trimestre

Copiar o texto
Brasil 61