Dr. Ajuda
30/11/2021 03:00h

Nesta edição do Doutor Ajuda a dermatologista Vivian Loureiro fala sobre o assunto

Baixar áudioBaixar áudioBaixar áudio

Você já teve Herpes zoster, popularmente conhecido como cobreiro? Sabe quando suspeitar e o que fazer para prevenir? 

Nesta edição do Doutor Ajuda a dermatologista Vivian Loureiro fala sobre o assunto.

Herpes Zoster é uma doença mais comum do que as pessoas imaginam. Estima-se que 20% das pessoas terão um episódio de Zoster em algum momento da vida.

O Herpes Zoster é causado pelo vírus varicela zoster ou herpes vírus humano tipo 3, que é o mesmo que causa a catapora. A catapora (ou varicela) é a primo-infecção, ou seja, é o primeiro contato do nosso corpo com o vírus e, geralmente, acontece na infância. Depois que a varicela passa, o vírus continua em latência dentro do organismo por anos, alojado em um gânglio nervoso. Em determinado momento, esse vírus, que estava dormente, pode reativar, causando o Herpes Zoster e isso costuma acontecer em situações em que há queda da imunidade. 

Pessoas que possuem mais chances de desenvolver:

  • idosos;
  • portadores de doenças que prejudicam o sistema imunológico, como AIDS, lúpus e câncer;
  • pessoas em uso de medicamentos imunossupressores e quimioterapia.

Os primeiros sintomas costumam ser dor, ardor, coceira ou formigamento e vem antes do aparecimento das lesões de pele.

Poucos dias depois, surgem, na pele, vesículas que são pequenas bolhas. A principal característica é que essas vesículas são agrupadas e bem localizadas. As lesões são restritas a uma área do corpo, afetando só um lado e não ultrapassam a linha média. O local afetado corresponde à parte da pele relacionada ao nervo onde o vírus estava latente. Enquanto as bolhas estão com conteúdo líquido, a doença é transmissível e o vírus pode contaminar outras pessoas.

Existe alguma forma de prevenção? Sim! Existe prevenção por meio de vacinas. A vacina da catapora, indicada para crianças entre 1 e 12 anos, previne a primo-infecção pelo vírus e, consequentemente, a reativação dele no futuro. E a vacina para Herpes Zoster pode ser feita em adultos a partir dos 50 anos, inclusive naqueles que já tiveram a doença. A eficácia da vacina chega a 70%. Está disponível no Brasil desde 2014, mas ainda não faz parte do calendário nacional de imunizações gratuitas.

CONTEÚDO PARA EMISSORAS DE RÁDIO: Nesta edição, você pode utilizar três áudios sobre o tema:  

  • O que é herpes zoster? 
  • Sintomas
  • Gravidade

Para saber mais sobre o assunto, assista ao vídeo no canal Doutor Ajuda. 

Copiar o texto
Meio Ambiente
30/11/2021 03:00h

O PL 6.545/2019 prevê incentivos fiscais à reciclagem, criação de fundos para apoio à atividade e emissão de títulos para financiar projetos. Após aprovação no Senado, proposta vai à sanção presidencial

Baixar áudio

Após aprovação no Plenário do Senado, vai à sanção o Projeto de Lei 6.545/2019, que cria incentivos fiscais à indústria da reciclagem e emissão de títulos para financiar projetos, agora aguarda análise no plenário da Casa. O PL cria também o Fundo de Apoio para Ações Voltadas à Reciclagem (Favorecicle) e Fundos de Investimentos para Projetos de Reciclagem (ProRecicle).

Pelo texto, os recursos do Favorecicle deverão vir de doações, do Orçamento da União, de convênios e acordos de cooperação, além de rendimentos das aplicações em fundo de investimento específico. De acordo com o especialista em Direito Ambiental Alexandre Aroeira Salles, esses incentivos fiscais são positivos para o desenvolvimento de projetos que estimulem a cadeia produtiva da reciclagem.

“Os incentivos previstos pelo projeto são importantes para uma mudança de cultura. Muda-se a cultura de um povo, de uma nação, de uma cidade, de um bairro e até mesmo dentro das organizações das empresas por meio de incentivos. E o poder público pode incentivar dando e facilitando mecanismos como doação e redução de tributos”. 

O relator da matéria, senador Luis Carlos Heinze (PP-RS), defende que o projeto vai auxiliar famílias de catadores de lixo no país. “Nós precisamos despoluir a humanidade e aqui temos um grande projeto que vem nessa direção. Quando fui prefeito de São Borja (RS) nós instituímos um programa de coleta seletiva de lixo e construímos uma cooperativa de catadores de lixo com 25 funcionários, ajudamos essa cooperativa e eles tiveram um grande sucesso. Então, é um grande projeto essa ideia do deputado Carlos Gomes (Republicanos/RS).”

Já para os Fundos de Investimentos para Projetos de Reciclagem (ProRecicle), as operações, rendimentos, remunerações e ganhos de capital ficarão isentos do Imposto de Renda das pessoas físicas e jurídicas e do Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro ou relativas a Títulos Mobiliários (IOF). 

Os projetos executados com recursos do Favorecicle e do ProRecicle deverão ser acompanhados e avaliados pelo Ministério do Meio Ambiente, que será obrigado a conceder anualmente um certificado de reconhecimento a investidores, beneficiários e empresas que se destacarem pela contribuição à reciclagem.

Dedução do Imposto de Renda

Para incentivar as indústrias e as entidades dedicadas à reutilização, ao tratamento e à reciclagem de resíduos sólidos produzidos no território nacional, o texto propõe que a União, pelo prazo de cinco anos após a promulgação da lei, ofereça às pessoas físicas e jurídicas tributadas pelo sistema de lucro real a opção de deduzir do Imposto de Renda os valores gastos com projetos de reciclagem previamente aprovados pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA). O o limite de dedução será de até 1% do imposto devido para pessoas jurídicas e 6% para pessoas físicas.

  • Esses projetos deverão estar voltados às seguintes ações:
  • Capacitação, formação e assessoria técnica a entidades que atuem com reciclagem ou reuso de materiais.
  • Incubação, implantação e adaptação de infraestrutura física para micro e pequenas empresas, cooperativas, indústrias, associações de catadores e empreendimentos sociais solidários que atuem no setor.
  • Pesquisas e estudos sobre a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos.

Segundo Salles, a dedução no Imposto de Renda é importante para estimular ainda mais aqueles que já reciclam, mas o especialista defende que medidas de punição também devem ser levadas em conta. “A minha percepção é que nós deveríamos ter tanto estímulo via redução da carga tributária para aqueles que assim agem, como também multa para os que não fizerem a adequação da separação do seu lixo para fins de reciclagem”, pontua.

Indústria da reciclagem

Durante reunião na Comissão de Meio Ambiente (CMA), o autor do PL 6.545/2019, deputado Carlos Gomes (Republicanos/RS), afirmou que no Brasil somente 3% dos resíduos são reciclados e que o país poderia chegar até 35% de aproveitamento desse material.

Além disso, segundo o parlamentar, aumentar a reciclagem geraria mais de R$10 bilhões por ano, bem como empregos para milhões de pessoas. Ele observa que a falta de uma política de incentivos é um dos principais problemas do setor, que demanda mão de obra, máquinas e locais apropriados.

O especialista em Direito Ambiental Alexandre Aroeira Salles complementa que criar uma política nacional prevendo o estímulo à reciclagem é um passo fundamental para a eficiência da política de resíduos sólidos. “De nada adianta termos uma política nacional de resíduos sólidos se a sociedade, a indústria e as empresas, de um modo geral, não criarem uma rígida estrutura de incentivos para a seleção dos lixos com a possibilidade de aproveitamento daquilo que se torna reciclável”, conclui.

Copiar o texto
29/11/2021 20:50h

Segundo o Governo Federal, a estimativa é de que essas doses comecem a ser entregues até março.

Baixar áudio

Nesta segunda-feira (29), o Ministério da Saúde e a Pfizer assinaram um contrato para aquisição de mais 100 milhões de doses de vacina para dar continuidade à Campanha de Vacinação contra a Covid-19 em 2022. Segundo o Governo Federal, a estimativa é de que essas doses comecem a ser entregues até março. 

O contrato prevê 100 milhões de doses, mas o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirma que esse quantitativo pode aumentar. “Nós já temos uma programação feita: 134 milhões de doses remanescentes de 2021 que ficarão para o ano de 2022, mais 100 milhões de doses com Pfizer e com a possibilidade de expansão para 50 milhões, e mais 120 milhões da AstraZeneca. Todas as vacinas com registro definitivo da Anvisa”, destacou. 

A proposta é que as doses sejam entregues de forma trimestral, sendo 20 milhões até março, mais 25 milhões até junho, outros 35 milhões até setembro e 19,9 milhões no último trimestre. 

Agora em 2021, o Governo Federal e a farmacêutica firmaram acordos para compra de 200 milhões de doses, cujas entregas devem ser finalizadas em dezembro deste ano. Dessas doses, mais de 139 milhões já foram distribuídas para todos os estados e o Distrito Federal. Segundo o ministro Queiroga, essa distribuição mostra a organização de compras e envios. “É a reafirmação do compromisso do governo Bolsonaro com o fim da pandemia da Covid-19. Somente para lembrar a vocês, esse esforço começou desde o início desta pandemia e a busca por vacinas não aconteceu de maneira atrasada”, afirmou.  

Hospital Martagão Gesteira

O contrato foi assinado pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e pela presidente da farmacêutica americana no Brasil, Marta Díez, em Salvador, na Bahia. A  assinatura ocorreu durante cerimônia realizada no auditório do Hospital Martagão Gesteira - que foi contemplado por uma portaria que amplia para R$ 2,6 milhões o valor do incentivo financeiro para o hospital, mais do que o dobro do previsto até o momento.

Desta forma, a expectativa é de que os atendimentos de média e alta complexidade no Hospital Martagão Gesteira sejam reforçados e, assim, a unidade possa oferecer melhor assistência do Sistema Único de Saúde (SUS) à população baiana. A medida pretende beneficiar diretamente quase 3 milhões de pessoas que vivem em Salvador. 

Segundo dados do hospital, mais de 80 mil pacientes passam pelo local todos os anos e cerca de 500 mil atendimentos são realizados. A unidade filantrópica foi inaugurada em 1965 e faz parte 100% do SUS. É um hospital geral especializado em procedimentos de média e alta complexidade, principalmente nas áreas de oncologia, cardiologia e neurologia.

Copiar o texto
29/11/2021 20:04h

Proposta vencedora foi de R$ 1.250.020 de contrapartida mensal, o que representou deságio de 63% do valor proposto no edital

Baixar áudio

Os serviços de iluminação pública da cidade de Campinas, em São Paulo, foram leiloados nesta segunda-feira, 29 de novembro. A oferta vencedora foi feita pelo Consórcio Ilumina Campinas, que pagará um milhão e duzentos e cinquenta mil reais por mês à prefeitura local. Esse valor representa um deságio de sessenta e três por cento do valor proposto no edital.

O leilão foi apoiado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR. Sandra Holanda, secretária nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano da Pasta, esteve presente ao evento. Ela destacou o impacto da concessão dos serviços de iluminação para a melhoria da qualidade de vida dos moradores.

"Esperamos levar esse modelo para mais cidades, para que o cidadão sinta a melhoria no seu ambiente, na sua cidade, melhores condições de iluminação, movimentação da economia que ocorre em decorrência disso, melhoria na segurança, melhoria no turismo. Tudo, claro, feito de forma sustentável".

O contrato de concessão prevê a modernização, ampliação, operação e manutenção do parque de iluminação, que tem cerca de cento e vinte e dois mil pontos de luz, durante os próximos treze anos. Os investimentos previstos são de mais de cento e setenta milhões de reais.

Para saber mais sobre essa e outras ações do Governo Federal em iluminação pública, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
29/11/2021 20:00h

No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial teve recuo de 0,09% e o produto é negociado a R$ 10,90

Baixar áudio

A cotação da arroba do boi gordo começou a terça-feira (30) com alta de 1,16% e o produto é negociado a R$ 321,80 em São Paulo. Em Goiânia, o produto é vendido à vista a R$ 300,50. Já em Barretos e Araçatuba, em São Paulo, a arroba é comercializada a R$ 309,50. 

O preço do quilo do frango congelado não sofreu variação e o produto ainda é vendido a R$ 6,85. O preço do quilo do frango resfriado também continuou o mesmo e a mercadoria ainda é comercializada a R$ 7,26.

No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial teve recuo de 0,09% e o produto é negociado a R$ 10,90. Em Minas Gerais, o suíno vivo é vendido a R$ 7,47. No Paraná, o produto é comercializado à vista a R$ 6,55. Os valores são do Canal Rural e Cepea.
 

Copiar o texto
29/11/2021 20:00h

No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho teve recuo de 0,33% e é negociada a R$ 83,44

Baixar áudio

A saca de 60 quilos do café arábica começou a terça-feira (30) com queda de 2,25% no preço e é vendida a R$ 1.424,40 na cidade de São Paulo. O café robusta também teve redução no valor. A baixa foi de 0,97% e a saca é comercializada a R$ 812,83 para retirada no Espírito Santo.

O açúcar cristal registrou diminuição de 0,32% e o produto é vendido a R$ 153,56 em São Paulo. Em Santos, no litoral paulista, o valor da saca de 50 quilos, sem impostos, caiu 0,45% e a mercadoria é comercializada a R$ 146,81.

No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho teve recuo de 0,33% e é negociada a R$ 83,44. Em Cascavel, no Paraná, o preço é R$ 84. Em Rondonópolis, no Mato Grosso, o milho é vendido a R$ 75. Em Uberaba, Minas Gerais, o preço à vista é R$ 80. Os valores são do Canal Rural e Cepea. 
 

Copiar o texto
29/11/2021 19:51h

Um dos focos da atuação conjunta é em agricultura irrigada

Baixar áudio

Nesta segunda-feira, 29 de novembro, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, se reuniu com Manuel Otero, diretor-geral do Instituto Interamericano para a Agricultura, o IICA. No encontro, foram debatidas parcerias entre as duas instituições.

Verônica Sánchez, secretária de Fomento e Parcerias com o Setor Privado do MDR, esteve presente ao encontro. Ela explica o alcance da parceria entre o Ministério e a instituição internacional.

"O IICA é um instituto de cooperação na área de agricultura, mas não só de agricultura, mas em toda a agenda de águas. Ele atua em 34 países das Américas. Com o Ministério do Desenvolvimento Regional, é uma parceria de muitos anos. Eles têm desenvolvido muitos projetos, não só na área de recursos hídricos, irrigação, Rotas do Desenvolvimento Regional, mas também na parte de saneamento

Um dos focos da atuação conjunta é em agricultura irrigada. O setor, inclusive, é apontado como principal ponto de aderência entre o IICA e o MDR, de acordo com Manuel Otero.

"Para o IICA, a parceria com o Ministério do Desenvolvimento Regional é muito importante. Os temas que foram identificados durante a reunião. Estão refletindo uma total coincidência entre as agendas. Gostaria de enfatizar, especialmente, o tema de irrigação, sob o ponto de vista da produção, da coleta de água, do uso ótimo de um recurso que vai ser cada vez mais escasso e que vai estar no topo da agenda mundial".

Para saber mais sobre essa e outras ações do Ministério do Desenvolvimento Regional, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
29/11/2021 19:26h

Trinta pessoas foram afetadas, sendo que 18 estão desalojadas. Além disso, duas pessoas morreram por causa do desastre

Baixar áudio

A Defesa Civil Nacional enviou uma equipe do Grupo de Apoio a Desastres, o Gade, à cidade de Itaberaba, na Bahia. O objetivo é verificar in loco os estragos causados pelas fortes chuvas que atingiram o município nesse final de semana. 

Trinta pessoas foram afetadas, sendo que 18 estão desalojadas. Além disso, duas pessoas morreram por causa do desastre. 

O coronel Alexandre Lucas, secretário nacional de Proteção e Defesa Civil do Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR, explica que a equipe do Governo Federal vai auxiliar o município nos procedimentos de solicitação de reconhecimento federal e de repasse de recursos.

“Nosso objetivo aqui é agilizar o reconhecimento dos processos de situação de emergência; liberar recursos necessários para o restabelecimento de serviços essenciais, socorro, assistência e recuperação com rapidez; e dar apoio na gestão do desastre”

Por causa da forte chuva que atingiu a região, no centro de Itaberaba, parte do asfalto de duas avenidas foi arrancada e crateras se formaram no local. 

Já na zona rural, algumas comunidades ficaram ilhadas. Além disso, quatro bairros foram atingidos com maior intensidade. São eles: Campo do Governo, Alameda das Umburanas, Barro Vermelho e Brisas da Chapada. 

Segundo a Defesa Civil Nacional, existe ainda o risco de rompimento de uma barragem de água particular.

Para saber mais sobre as ações de proteção e defesa civil do Ministério do Desenvolvimento Regional, acesse mdr.gov.br.

Copiar o texto
29/11/2021 19:10h

Estado ainda precisa apresentar a proposta de regionalização dos serviços de saneamento, conforme prevê o novo Marco Legal do Saneamento

Baixar áudio

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), promoveu, nesta segunda-feira (29), no Pará, o 13º Seminário sobre os Desafios para a Regionalização e a Sustentabilidade dos Serviços de Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos. O evento faz parte de uma mobilização do ministério para auxiliar estados e municípios no cumprimento das propostas do novo Marco Legal do Saneamento

A nova lei, sancionada em julho de 2020, prevê a regionalização e universalização dos serviços de água, esgotamento sanitário, drenagem urbana e resíduos sólidos urbanos, com garantia de sustentabilidade. No entanto, alguns estados ainda não conseguiram finalizar as propostas de regionalização – entre eles o Pará. Para esses, o MDR está finalizando a contratação de uma consultoria especializada para dar assistência técnica e apoiar na definição de suas propostas de regionalização.

“Esse serviço será realizado in loco, levando em consideração a realidade municipal ou estadual e evidenciando a importância da parceria entre Governo Federal e estadual”, explicou o secretário Nacional de Saneamento, Pedro Maranhão. “Não queremos ter protagonismo, mas agir junto aos estados nessa mudança, dando espaço ao diálogo e à troca de experiências", afirmou.

Para além do tema da regionalização, cabia aos municípios apresentarem, até 15 de julho de 2021, a proposição de instrumentos de cobrança que garantam a sustentabilidade econômico-financeira dos serviços de resíduos sólidos urbanos. "O descumprimento das medidas propostas pelo novo Marco Legal do Saneamento faculta em penalidades na Lei de Responsabilidade Fiscal e tira o acesso dos municípios a financiamentos e a outros incentivos do Governo Federal”, explicou Maranhão.

Durante o seminário, o secretário-adjunto de Desenvolvimento Urbano do Pará, Valdir Acatauassú, afirmou que os gestores do estado têm trabalhado na implementação das novas metas de saneamento. “Na semana passada, estávamos reunidos com a Cosanpa, buscando a melhor condição para atender a essa demanda de regionalização dos resíduos sólidos. Acho fundamental a participação de todos os gestores municipais e estaduais nos debates para juntos, dialogarmos com o Governo Federal, buscando a melhor alternativa”, comentou.

A regionalização dos serviços de saneamento deve ser adotada até 31 de março de 2022 como condição para que estados, municípios, o Distrito Federal e prestadores de serviços possam acessar recursos do Orçamento Geral da União, bem como financiamentos com recursos federais ou geridos por órgãos federais para ações de saneamento. Assista o vídeo na íntegra do evento

Copiar o texto
29/11/2021 18:55h

Município foi atingido por enxurradas, que afetaram mais de 1,7 mil moradores

Baixar áudio

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), vai repassar R$ 18,2 mil à cidade de Santa Izabel do Oeste, no Paraná, que foi atingida por enxurradas. A portaria que autorizou a liberação do recurso foi publicada na edição desta segunda-feira (29) do Diário Oficial da União (DOU). 
O repasse será destinado à recomposição do muro de uma escola da cidade, que ficou danificado após o desastre natural. As enxurradas afetaram cerca de 1,7 mil moradores do município.

Recentemente, outras quatro cidades paranaenses também receberam recursos federais para ações de resposta às fortes chuvas que atingiram o estado. O município de Rondon recebeu R$ 325,5 mil para a compra de telhas de fibrocimento e de kits alimentação e dormitório. Ao todo, 1,3 mil moradores afetados pela queda de granizo na região serão beneficiados.

Já a cidade de Cruzeiro do Oeste recebeu R$ 59,4 mil e Ourizona, R$ 19,3 mil. Nos dois casos, os recursos serão destinados à compra de cestas básicas para a população afetada.

Por fim, o município de Alvorada do Sul vai contar com R$ 58,4 mil para o restabelecimento do ginásio de esportes da cidade. Os vendavais afetaram cerca de 8,2 mil moradores da região.

Apoio nacional

Com o repasse a Santa Izabel do Oeste, a Defesa Civil Nacional já liberou cerca de R$ 1,66 milhão para apoiar os municípios do Paraná atingidos pelas fortes chuvas dos dias 22 a 24 de outubro.

Até o momento, 20 cidades do estado já tiveram a situação de emergência reconhecida – Cruzeiro do Oeste, Santa Izabel do Oeste, Nova Londrina, Ramilândia, Japurá, Alvorada do Sul, Foz do Iguaçu, Terra Rica, Farol, Ourizona, Rondon, Paranavaí, São Miguel do Iguaçu, Moreira Sales, Indianópolis, Jesuítas, Lupionópolis, Mandaguaçu, Morretes e Goioerê.

Logo após o desastre, duas equipes do Grupo de Apoio a Desastres (GADE) foram enviados ao estado para verificar in loco os estragos causados e auxiliar os municípios afetados nos pedidos de reconhecimento de situação de emergência e de recursos para atendimento à população, restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de infraestrutura pública danificada.

Como solicitar recursos federais

Para solicitar recursos federais para ações de defesa civil, os estados e municípios afetados por desastres naturais devem ter decretado situação de emergência ou estado de calamidade pública. Em seguida, o reconhecimento federal deve ser solicitado ao MDR, por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). O pedido deve atender aos critérios da Instrução Normativa n. 36/2020.

Após a publicação do reconhecimento federal por meio de portaria no DOU, o estado ou município podem solicitar repasses para restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de infraestrutura pública danificada pelo desastre.

Com base nas informações enviadas por meio do S2iD, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do valor a ser liberado.
 

Copiar o texto
Brasil 61